segunda-feira, 17 de abril de 2017

Os Colombos





Os Colombos



Outros haverão de ter 
O que houvermos de perder. 
Outros poderão achar 
O que, no nosso encontrar, 
Foi achado, ou não achado, 
Segundo o destino dado. 

Mas o que a eles não toca 
É a Magia que evoca 
O Longe e faz dele história. 
E por isso a sua glória 
É justa auréola dada 

Por uma luz emprestada.


Fernando Pessoa

Colombo, que tentara durante anos o apoio do rei de Portugal, acabaria por descobrir o Novo mundo sob a égide dos reis católicos de Espanha; significa aqui as oportunidades perdidas, mas também que a missão de Portugal vai mais além da dos “Colombos”.
“Outros haverão de ter / O que houvermos de perder”
“Mas o que a eles não toca / É a magia que evoca / O longe e faz dele história”
Este poema, que se situa na segunda parte da obra a “ Mensagem” intitulada de Mar Português, substitui um outro chamado “Ironia” que constava nas primeiras versões dessa obra.
O poema refere-se a Cristóvão Colombo que foi o descobridor da América ao serviço dos reis de Espanha. Por isso mesmo sabemos que há todo um contencioso entre Portugal e Espanha a propósito de Colombo, que deveria ter descoberto a América em nome do rei de Portugal se este, D. João II, não o tivesse rejeitado.
Não se referindo apenas a Cristóvão Colombo, este poema fala ainda de todos os navegadores estrangeiros (chamados aqui “Colombos”) cuja glória, diz, é apenas um reflexo da luz das descobertas portuguesas. Neste poema, na minha opinião, existe um certo exagero quanto ao nacionalismo, porque, como podemos ver na primeira estrofe, o poeta diz que os outros navegadores só vão ter o que Portugal não quis, pois Portugal não podia conquistar tudo. 
Quanto à análise formal do poema é de referir o uso de rima emparelhada, cujo esquema é aabb, esta rima pobre acentua os feitos menores dos navegadores que não eram portugueses. Em relação ao estilo, é de salientar o discurso na primeira pessoa do plural, como se fosse Portugal a falar, e ainda o uso da metonímia, pois Colombo aparece em representação de todas as potências estrangeiras que tentam apoderar-se do que é português. 




Diogo Soares 12.º ano

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Lanche




Waffles da Mena

1 dl de azeite
100 g de açúcar
3 ovos
250 g de farinha
3 g de fermento
200 ml de leite de amêndoa

Bata os ovos e misture açúcar e o azeite. Adicione a farinha e o fermento. Por fim, junte o leite aos poucos até obter uma massa lisa e macia.

Feche a aqueça a máquina de fazer Waffles. Deite na máquina aquecida, no centro, uma concha de massa. Feche a máquina. Coza cada Waffle cerca de 3 minutos. Sirva com doce, gelado, fruta...

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

A Aranha


A ARANHA


A ARANHA do meu destino
Faz teias de eu não pensar.
Não soube o que era em menino,
Sou adulto sem o achar.
É que a teia, de espalhada
Apanhou-me o querer ir...
Sou uma vida baloiçada
Na consciência de existir.
A aranha da minha sorte
Faz teia de muro a muro...
Sou presa do meu suporte.

Fernando Pessoa





A aranha do meu destino / Fez teias de eu não pensar. O sujeito poético quer dizer que, por nunca ter pensado no seu futuro, teias de aranha ocuparam o espaço que na maioria dos homens é ocupado pela prevenção, pelo planeamento. Ele nunca planeou o seu futuro, só se preocupava com o presente e - em certa medida - pelo passado.


A referência a uma aranha é - talvez - uma subtil ironia à lenda grega das tecelãs do destino. Chamavam-se Moiras (os romanos chamavam-lhes Parcas) e eram três deusas que teciam o destino dos homens.

O sujeito lírico diz que a aranha (as deusas) não se preocuparam em tecer o seu destino, por duas razões: por ele em criança já "ser adulto sem o achar", ou seja, ter crescido de repente contra a sua vontade; a segunda razão  diz ser a rede ter-lhe apanhado "o querer ir", ou seja, o próprio presente (agora já passado) impediu que ele tivesse o destino - o destino ficou preso por causa do que lhe aconteceu quando era criança.

Assim ficou o sujeito poético, "uma vida baloiçada", como uma mosca presa numa rede, viva e só à espera da morte para desaparecer. O estar preso na rede, com a "consciência de existir", é a sua pena pelo que lhe aconteceu.


...//...

O verso ”A Aranha do meu destino”, refere-se ao rumo que a vida do sujeito lírico levou, afinal não se pode fugir ao destino.

O verso “Faz teias de eu não pensar”, de certa forma pode ser encarado como uma ironia, podemos falar no caso de quando uma casa por exemplo é desabitada, passado algum tempo a casa acaba por ganhar teias, o eu intelectualiza o pensamento, ou seja, ele pensa nas coisas da vida “não ganhando assim as teias dentro da sua cabeça”.
O sujeito poético, quando era criança “menino”, não sabia “não soube” se era feliz, pois as crianças não racionalizam, mesmo assim agora em adulto ele tem a consciência, que quando era criança era feliz, pois agora já racionaliza, vem daí “na consciência de existir”, isso vai trazer reflexos como, o seu passado (infância) ser idealizado, pois é uma época em que tudo é possível, no mundo das crianças não há impossíveis, ao contrário da prisão intelectual do presente.
Os últimos dois versos, dão a sensação de a teia ser como uma espécie de prisão.  Referem-se a algo que esteja preso, a ideia de fazer teia de muro a muro, e de ele estar na “prisão”, e ser a presa, da própria teia “suporte”, ou seja do próprio destino, nós como seres humanos, envolvemo-nos na teia para encontrar o nosso destino.


Sara Anjo, 12.º ano

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Menino Feliz





Fui directora de uma turma com dois alunos especiais. No fundo, no fundo, toda a turma era especial, devido à sua heterogeneidade. Mas estes meninos, uma menina e um menino, eram de facto especiais. Especiais no seu sorriso tímido e único, na sua extrema bondade, no seu modo bom de nos olhar. A menina, muito tímida, sempre de olhos baixos. O menino, frágil e doce, mas sempre pronto a abraçar qualquer desafio.
É bem verdade que nós, docentes e discentes, não estamos preparados para receber determinados alunos! E esta turma era um pouco problemática, cheia de alunos com histórias de vida algo complicadas e não aceitaram muito bem estes meninos especiais. 
Era uma turma complicadinha! Raramente se tratavam pelo nome. Todos tinham nomes, quanto a mim, pouco próprios. E as primeiras aulas foram uma luta constante: cada um tem um nome e só esse; somos todos iguais e todos diferentes... Não sei quantas vezes reuni com os alunos para lhes explicar as razões porque tínhamos na turma aqueles meninos; não sei quantas vezes lhes disse que todos temos os mesmos direitos; não sei quantos filmes passei sobre pessoas "diferentes". Mas venci e ganhámos todos. De repente, depois de muito ralhar, de lhes mostrar a minha desilusão, de pensar que todo o trabalho estava a ser em vão... As horas a pesquisar sobre as patologias daqueles dois seres, a procurar filmes que ilustrassem de alguma maneira a vida de pessoas como as que conviviam agora diariamente connosco... De repente, como disse, chegou toda a turma à aula, com os dois colegas. Vinham todos muito felizes! Fizeram um esquema para saberem quem ia buscar ou levar o Menino Feliz ao elevador. Decidiram quem é que ficava ao lado destes alunos nas várias aulas: tinha de ficar um bom aluno ao pé deles para os ajudar. Passaram a trazer "a tiracolo" os colegas... 
E era ver a felicidade destes dois, quando eram rodeados pelos colegas. E era ver a sua satisfação quando eram escolhidos para os vários grupos de trabalho. O Menino Feliz nunca desistia, quis sempre participar em todas as actividades... Vi-o a fazer canoagem. Vi a sua alegria por poder participar com os colegas em algumas modalidades desportivas. (Obrigada, professora Sandra, por seres quem és e por não desistires nunca de ajudares a concretizar sonhos...). Vi-o a conviver com os colegas... E vi e vejo sempre aquele grande sorriso cada vez que passava por mim nos corredores e nas aulas a que assistia.
Por vezes, o Menino Feliz faltava e o silêncio na sala de aula doía e os olhos caíam e caíam naquele lugar vago. E todos tinham medo de perguntar fosse o que fosse sobre o Menino Feliz. Mas os olhos inquiridores caíam-me em cima como facas afiadas e eu ficava, de algum modo, aflita. E de voz trémula: se tivesse acontecido algo, nós já saberíamos. "Pois é, professora, as notícias más sabem-se logo! Foi fazer algum exame ou constipou-se, está muito frio". E apareciam logo uma série de desculpas para a ausência do Menino Feliz. 
Todos sabíamos desde o primeiro dia em que o conhecemos, que um dia o Menino Feliz iria para o céu ser uma criança igualzinha a todas as outras, mas todos temíamos a chegada desse dia!
Aconteceu! Nunca estamos preparados para nos despedirmos para sempre de ninguém, muito menos de uma criança, muito menos de um Menino Feliz apesar de todas as suas limitações. A nossa consolação é, talvez, sabermos que aquele menino foi feliz enquanto esteve entre nós. Lembro-me sempre de o ver sorrir, recordo as gargalhadas que dava ao ver os filmes das aulas em que motivava os colegas para a aceitação das diferenças... 
À pergunta: estás bem? A resposta que recebi foi sempre um largo sorriso a acompanhar o sim. Daí, dar-lhe o nome de Menino Feliz.
Até um dia!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Meu caminho é por mim fora






Sebastião Artur Cardoso da Gama nasceu em 10 de Abril de 1924, em Vila Nogueira de Azeitão, tendo falecido a 7 de Fevereiro de 1952.


Licenciou-se em Filologia Românica, em 1946, na Faculdade de Letras de Lisboa, leccionando provisoriamente, dois anos mais tarde, na Escola Técnica de Setúbal.

“Serra Mãe” foi a primeira obra do poeta, que surgiu em 1945, seguindo-se, nos dois anos sequentes, “Loas a Nossa Senhora da Arrábida” e “Cabo da Boa Esperança”.

No dia 4 de Maio de 1951, casou com a amiga de infância Joana Luísa, no Convento da Arrábida, tendo sido a primeira cerimónia ali celebrada.

No mesmo ano surgiu a quarta obra, intitulada “Campo Aberto”.

A 7 de Fevereiro de 1952, Sebastião da Gama morre, vitimado por uma tuberculose renal, de que sofria desde a adolescência.

A título póstumo foram publicados, em 1953, “Pelo Sonho é que vamos” e “Lugar de Bocage na Poesia Portuguesa”, este último em resultado de uma conferência proferida em 15 de Setembro de 1950, em Setúbal.

“O Diário”, com prefácio de Hernâni Cidade, e “O Segredo é Amar” surgiram em 1958 e 1959, respetivamente.

O último livro editado,  “Itinerário Paralelo”, data de 1967.

Em 1999, a Câmara Municipal inaugurou um pequeno museu dedicado ao poeta, em Vila Nogueira de Azeitão.

Neste espaço, onde está também instalado o pólo local da Biblioteca Municipal, figuram o espólio literário e numerosos objectos pessoais de Sebastião da Gama, relacionados com a vida e obra do poeta.

Museu Sebastião da Gama
No edifício do museu Sebastião da Gama, que reúne um significativo espólio do poeta e pedagogo que lhe deu o nome, funciona também um pólo da Biblioteca Pública Municipal.
O museu inclui uma sala destinada ao serviço educativo e ao desenvolvimento de atividades de expressão dramática com crianças, uma exposição sobre Sebastião da Gama e sobre a história de Azeitão.


MADRIGAL A UMA ESTRELA 


De histórias de estrelas 
Ninguém quer saber. 
Não conto, não conto… 
Quem é que te quer, 

História da estrela 
Que fica por cima 
Da minha janela? 
Tão bela, tão bela! 

Comigo te guardo 
Na vida e na morte. 
Será um segredo… 
Será uma estrela 

Que eu leve a meu lado 
Na vida que leve… 
Escura que seja 
– que vida tão clara! 

Que noite tão branca 
A noite que eu durma 
(debaixo da terra) 
Debaixo da estrela! 

Não conto. Não digo. 
Comigo te guardo. 
Assim tu, ó estrela, 
Me guardes contigo… 

Sebastião da Gama

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida



Fanatismo

Minh‟alma, de sonhar-te, anda perdida (A)
Meus olhos andam cegos de te ver! (B)
Não és sequer razão de meu viver, (B)
Pois que tu és já toda a minha vida! (A)

Não vejo nada assim enlouquecida…(A)
Passo no mundo, meu Amor, a ler (B)
No misterioso livro do teu ser (B)
A mesma história tantas vezes lida! (A)

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”(C)
Quando me dizem isto, toda a graça (C)
 Duma boca divina fala em mim! (D)

 E olhos postos em ti, vivo de rastros: (C)
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros, (C)
Que tu és como Deus: princípio e fim!..." (D)


Florbela Espanca


Trata-se de um soneto, pois possui 4 quadras e dois tercetos, cujas estrofes são isométricas e isorrítmicas, fazendo com que seja uniforme entre si. Os versos são decassílabos, heróicos, com esquema rítmico binário, já que a tonicidade está na 6.ª e 10.ª sílabas: "Meus /o/lhos/ an/dam /CE/gos /de/ te /VER",


O esquema rimático das quadras é  ABBA, sendo, assim, rimas interpoladas em A e emparelhadas em B; nos tercetos, há o esquema CCD, sendo emparelhadas em C e interpoladas em D. Excepto os versos 12 e 13, em que rimam os nomes rastros/astros, as demais rimas são ricas. Nos versos 1, 4, 5, 8, 9, 10, 12 e 13, o ritmo dos versos é feminino e grave, nos demais, é masculino e agudo.

Recursos expressivos
Predomina a Aliteração da letra m.

Antítese: "cegos de te ver"; "princípio e fim".
Comparação: "tu és como Deus".
Repetição: "Tudo no mundo é frágil, tudo passa".
Metáfora: "misterioso livro de teu ser".
Prosopopeia: voar mundos; boca divina.
Hipérbole: "Pois que tu és já toda a minha vida"; Que tu és como Deus: princípio e fim!..."
Encadeamento: a ler - no misterioso livro do teu ser (vs. 6 e 7); toda a graça - duma boca divina fala em mim (vs. 10 e 11);



O sujeito lírico é uma mulher apaixonada que declara seu amor e que expõe com furor os seus sentimentos. Por meio de metáforas e hipérboles, o sujeito poético procura explicar a força do seu amor, um amor tão forte e avassalador que tomou conta da sua vida. A confiança do sujeito lírico na durabilidade e na permanência dos seus sentimentos é tão grande que ele chega a desdenhar daqueles que tentam alertá-lo para a fugacidade e efemeridade das coisas e dos sentimentos. 
O título do poema dá-nos a ideia da intensidade do sentimento - Fanatismo - que remete para a definição de um sentimento anormal, que beira a obsessão. O eu corrobora essa ideia no poema quando afirma que sua "alma está perdida‟, que seus olhos "andam cegos  de te ver" e ainda que anda "enlouquecida‟, e que ele, o objecto do seu amor,  já se tornou toda a sua vida: ‟Pois que tu és já toda a minha vida!".
O amor do sujeito-lírico é tão desmedido e irracional que assume ares de devoção religiosa no momento em que compara o ser amado a Deus, ou ainda, ao Deus da sua vida, que é o seu "princípio e fim". 
As características simbolistas presentes no trecho são o uso de várias figuras estilísticas (metáfora, comparação, hipérbole, paradoxo); o egotismo representado pelo amor exacerbado do eu que o impede de viver lucidamente e de ver o ser amado como pessoa de "carne e osso‟; a espiritualidade através da elevação do amor e do ser amado a um patamar superior às demais pessoas, alçando-o à condição de Deus.


Roberto Adam, 11.º ano