segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Frei Luís de Sousa - acção dramática




Frei Luís de Sousa


Acção dramática


Frei Luís de Sousa conta o drama que se abate sobre a família de Manuel de Sousa Coutinho e D. Madalena de Vilhena. As apreensões e pressentimentos de Madalena de que a paz e a felicidade familiar possam estar em perigo tornam-se gradualmente numa realidade. O incêndio no final do Acto I permite uma mutação dos acontecimentos e precipita a tensão dramática. E no palácio que fora de D. João de Portugal, a acção atinge o seu clímax, quer pelas recordações de imagens e de vivências, quer pela possibilidade que dá ao Romeiro de reconhecer a sua antiga casa e de se identificar a Frei Jorge.


O Acto I inicia-se com Madalena a repetir os versos d'Os Lusíadas:

  • "Naquele engano d'alma ledo e cego,
    que a fortuna não deixa durar muito…"


As reflexões que se seguem transmitem, de forma explícita um presságio da desgraça que irá acontecer. Obedecendo à lógica do teatro clássico desenvolve a intriga de forma a que tudo culmine num desfecho dramático, cheio de intensidade: morte física de Maria e a morte para o mundo de Manuel e Madalena.


Drama clássico, drama romântico?


É possível encontrar quase todos os elementos da tragédia em “Frei Luís de Sousa”. A hybris é o desafio, o crime do excesso e do ultraje. D. Madalena não comete um crime propriamente dito. Sabemos, no entanto, que o crime existiu pela confissão que ela faz a Frei Jorge de que ainda em vida de D. João de Portugal amou Manuel de Sousa, apesar de guardar fidelidade ao marido. O crime estava no seu coração, na sua mente, embora não fosse tão explícito como nos clássicos.


Manuel de Sousa Coutinho também comete a sua hybris ao incendiar o palácio para não receber os governadores. A hybris manifesta-se em muitas outras atitudes das personagens.


O conflito, que nasce da hybris, desenvolve-se através da peripécia (súbita alteração dos acontecimentos que modifica a acção e conduz ao desfecho), do reconhecimento (agnórise) imprevisto que provoca a catástrofe. O desencadear da acção dá-nos conta do sofrimento (páthos) que se intensifica (climax) e conduz ao desenlace. O sofrimento age sobre os espectadores, através dos sentimentos de terror e de piedade, para purificar as paixões (catarse). A reflexão catártica é também dada pelas palavras do Prior, quando na última fala afirma: "Meus irmãos, Deus aflige neste mundo àqueles que ama. A coroa da glória não se dá senão no céu".


Tal como na tragédia clássica, também o fatalismo é uma presença constante. O destino acompanha todos os momentos da vida das personagens, apresentando-se como um força que as arrasta de forma cega para a desgraça. É ele que não deixa que a felicidade daquela família possa durar muito.


Garrett, recorrendo a muitos elementos da tragédia clássica, constrói um drama romântico, definido pela valorização dos sentimentos humanos das personagens; pela tentativa de racionalmente negar a crença no destino, mas psicologicamente deixar-se afectar por pressentimentos e acreditar no sebastianismo; pelo uso da prosa em substituição do verso e pela utilização de uma linguagem coloquial, mais próxima da realidade, vivida pelas personagens; sem preocupações excessivas com algumas regras, como a presença do coro ou a obediência perfeita à lei das três unidades (acção, tempo e espaço).



Trabalhinho:



A Mena na cozinha

Bolo de Chocolate e noz

2 chávenas de chocolate em pó
1 chávena de açúcar
1 chávena de farinha
1 chávena de leite
1 chávena de óleo
3 ovos
1 chávena de nozes

Bata os ovos com o açúcar. Misture depois todos os outros ingredientes.

No fim, envolva as nozes picadas grosseiramente.

Deite este preparado numa forma de ir ao microondas, untada com margarina e polvilhada com farinha e leve ao microondas, durante 5 minutos na potência máxima.

Sirva o bolo enfeitado com nozes.
Delicie-se!

2 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá

Adorei as agendas.

Hummmmmm...cheguei a horas do lanche.
Bolo de chocolate com nozes...o meu preferido.

Bjs.

Mena disse...

Também é um dos meus preferidos!