segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Consílio dos deuses em análise

Tenho vindo a falar-vos do Consílio dos deuses... Vou, no entanto, aprofundar ainda mais alguns aspectos. Espero não vos maçar muito!

Consílio dos deuses

Vamo-nos concentrar agora na caracterização dos deuses, analisando também a intenção do poeta ao imprimir-lhes um ar de sublime nobreza e de grandeza majestática.

Os deuses são-nos apresentados como seres superiores respeitados e temidos pelos homens. Assim, em relação a Júpiter, o poeta diz: o Tonante, o Padre sublime e digno, com gesto alto, severo e soberano, do rosto respirava um ar divino, Júpiter alto, grave e horrendo. Mercúrio, o mensageiro dos deuses, é caracterizado, salientando-se a sua simpática presteza e resistente velocidade: o neto gentil do velho Atlante. Os deuses são ainda caracterizados pelos ricos ambientes onde se movem, pela maneira de vestir e pela grandeza das regiões que dominam ou governam: Vêm pisando o cristalino céu formoso; deixam dos sete céus o regimento que do poder mais alto lhes foi dado; num assento de estrelas cristalino; com uma coroa e um ceptro rutilante, /de outra pedra mais clara que diamante; Em luzentes assentos, marchetados de ouro e de perlas, os outros deuses todos assentados; eternos moradores do luzente, estelífero polo e clar assento (magnificência do Olimpo).
Todas estas expressões nos revelam os deuses como seres superiores aos homens, imponentes no aspecto e nos ambientes que frequentam. Esta imponência está de acordo com a função do maravilhoso n'Os Lusíadas: uma alegoria de enaltecimento dos feitos portugueses, que, por acção dos deuses, adquiriram uma grandeza transcendente. A sublime majestade dos deuses reflecte-se na sublimidade dos feitos lusos.


Os deuses, reunidos em consílio, discutiam as cousas do Oriente e não estavam todos de acordo em relação ao destino dos nautas portugueses. Júpiter, Vénus e Marte pretendiam ajudar os portugueses no grande empreendimento da descoberta do caminho marítimo para a Índia, mas Baco opunha-se. Gerou-se um grande tumulto entre os deuses...


Razões de Júpiter para que se deixem seguir os portugueses

Segundo Júpiter, deve-se não só permitir a viagem dos portugueses, mas até ajudá-los a alcançar o seu objectivo, pelas seguintes razões:
  • o seu grande valor e forte coragem já revelados em tão grandes vitórias contra os mouros, castelhanos e romanos;
  • os Fados (o destino) já tinham determinado que o povo luso ultrapassasse a glória dos assírios, gregos e romanos (os povos greco-romanos acreditavam que o Fado (Destino) era mais poderoso do que os próprios deuses);
  • os portugueses já tinham feito grande parte da viagem em luta vitoriosa contra os elementos marítimos e o Fado já determinara que eles tivessem, por largo tempo, o domínio do Oriente.
Por todas estas razões e, como prémio de tantos perigos já vencidos e de "tanto furor de ventos inimigos", Júpiter determinava que os nautas fossem agasalhados na costa africana, para depois seguirem a sua rota até à Índia .


Razões de Baco, adversário dos portugueses

Razões que levam Baco a contrariar a viagem dos portugueses:
  • Baco sabia pelos fados que os portugueses dominariam todo o Oriente, que era seu domínio e que não queria perder;
  • ele tinha dominado toda a Índia e ainda nenhum poeta tinha cantado a sua vitória, temendo agora que o seu nome caia no esquecimento, se os fortes portugueses lá chegarem (se os portugueses chegarem à Índia ganharão o estatuto de deuses, pois realizarão algo que só um deus tinha realizado; Baco perderá o seu estatuto, pois simples humanos conseguiram igualá-lo).

Razões de Vénus, favorável aos portugueses

Razões que levam Vénus a ser favorável ao povo luso:
  • Ela gostava da gente lusitana pelas qualidades, que via neste povo, semelhantes às do povo romano, que ela tanto amava;
  • gostava também dos portugueses pela língua que ela achava ser, com pouca diferença, a língua latina;
  • Ela sabia que seria celebrada em todos os lugares onde os portugueses chegassem.

Razões de Marte

Razões que levam Marte a favorecer os portugueses:
  • o grande amor que antigamente tivera a Vénus, também favorável aos portugueses;
  • a bravura dos portugueses, reconhecida até pelo próprio Júpiter;
  • a falsidade das razões apresentadas por Baco (que é suspeito).

Caracterização de Marte

A gravidade, a força, a majestade de Marte são bem visíveis, no seu aspecto, nas suas atitudes e no efeito que estas atitudes tiveram na natureza e nos próprios deuses: "Marte se levantava de entre os deuses, merencório no gesto, o forte escudo, ao colo pendurado,... medonho e irado... pôs-se diante de Júpiter, armado, forte e duro; e dando uma pancada penetrante com o bastão... o céu tremeu, e Apolo, de torvado, um pouco a luz perdeu, como enfiado".
O poeta faz surgir, diante de Júpiter, o deus Marte com uma força e autoridade, quase igual à do pai dos deuses. Não era apenas por se tratar do deus da guerra; a intenção do poeta era mostrar o deus Marte como o símbolo da força, da coragem, da vitória. Marte aparece aqui como que para personificar a força dos portugueses (povo que a Marte tanto ajuda), o seu amor à luta, as suas vitórias passadas e futuras. Reparem que, após o discurso de Marte, favorável aos portugueses, nenhum deus se atreveu a contrariá-lo, e o próprio Júpiter, o Padre poderoso, a cabeça inclinando, consentiu no que disse Mavorte valeroso.


Valor simbólico do maravilhoso pagão n'Os Lusíadas

A navegação dos portugueses obriga os deuses a reunirem-se em consílio, envolvendo-se uns com os outros em luta acesa, uns como oponentes, outros como adjuvantes da acção marítima dos portugueses. A intervenção dos deuses pagãos constitui não apenas um adorno externo do poema de Camões, tornando-o semelhante às grandes epopeias antigas. Mas esta bela alegoria dos deuses reveste-se de um alto valor simbólico, relacionado com a própria intenção do poema: exaltar o empreendimento marítimo dos portugueses. A descoberta da Índia era tão importante que interessou às próprias divindades. A convivência das deusas, na Ilha dos Amores, com os nautas portugueses representa não apenas uma concessão formal do poeta aos processos e mentalidade renascentistas, mas insere-se dentro de uma linguagem altamente literária e simbólica: o empreendimento marítimo da descoberta da Índia era de tal forma extraordinário que o poeta se serviu desta fábula dos deuses para realçar a transcendência dessa descoberta.
É este portanto o valor simbólico da mitologia n'Os Lusíadas: uma alegoria de exaltação do grande feito dos portugueses.



A Mena na cozinha

Lombo de porco com laranja


3 laranjas
1 lombo de porco
1 cebola cortada aos cubos
4 cenouras cortadas aos cubos
1 folha de louro
sal
4 dentes de alho
azeite


Tempere o lombo, esfregando-o com o sal e a folha de louro. Coloque um tacho ao lume, com um fio de azeite e os dentes de alho cortados às rodelas. Quando estiverem alourados, adicione o lombo e deixe-o alourar bem de todos os lados. Quando estiver com uma corzinha dourada, acrescente o sumo das laranjas, as cenouras e a cebola cortadas aos cubos. Junte também uma chávena de água. De vez em quando, vire a carne. Deixe ao lume por 10-15 m.

Retire o lombo do tacho e corte-o às fatias. Volte a introduzir a carne no molho para que toda a carne tome o gosto da laranja. Cozinhe mais uns 10-15 m.

Acompanhe com batata frita ou arroz e uma boa salada.

Bom apetite!



Trabalhinhos: um presente para a minha amiga M.




E o saquinho que acondicionou o presentino. Que tal?




Desafio

Esta amiga colocou-me este desafio muito engraçado! Passo a descrever este desafio:

Este desafio consiste na criação de missangas em Fimo (com símbolos, tal como acontece com as peças Pandora), as quais iremos trocar com as nossas amigas blogueiras e não só, cada uma dessas missangas iremos colocar num cordão que será então a nossa pulseira ou porta-chaves PANDORFIMO. Este desafio consiste então em convidarmos 3 amigas blogueiras (no mínimo), para com cada uma delas trocarmos duas missangas em Fimo feitas por nós! Temos que postar no nosso blog este desafio, colocar lá o nome das nossas convidadas, esperar que elas aceitem e claro esperar que recebamos mais convites... Os portes de envio desta troquinha não são muito dispendiosos, daí as três convidadas no mínimo. E as minhas convidadas, meninas muito talentosas, são:

Ana
APO
Elsa
Mell

Fica em aberto este desafio para quem quiser participar, se além destes talentos surgirem outros, eu trocarei com todas as meninas que se propuserem. Terão unicamente de deixar um comentário, dizendo que vão participar.

10 comentários:

Chocolate disse...

oi querida!! vim desejar boa semana! adorei os trabalhos! beijinhos

Sonia Facion disse...

oi Mena querida!!!

Agradeço de coração, mas não trabalho com fimo, nem sei mexer com essa técnica,

Bjks

Sonia

Brunette disse...

Olá!
Obrigada por aceitares o desafio Pandorfimo. É uma técnica nova para mim, mas estamos sempre a aprender, não é verdade?
Gostei muito dos 2 trabalhinhos, mas o marcador de página está mesmo excepcional!
bjos e boa semana

APO (Bem-Trapilho) disse...

olá amiga! achei muito engraçado o desafio, mas não trabalho com fimo, nunca experimentei. mas tenho algumas pecinhas (contas e assim) que me têm enviado ao longo do tempo de bloguisse e algumas ainda não utilizei. posso participar assim mesmo? não percebi muito bem o que queres dizer com símbolos? acho que a ideia é construirmos um objecto que contenha lembrancinhas de várias amigas virtuais, é isso? bem, fico à espera do teu esclarecimento, ok?
bjinho grande :)

APO (Bem-Trapilho) disse...

ahhh e com isto tudo esqueci-me de elogias as tuas manualidades. gostei muito. até o saco com o toque de artista!!! :)
bjinho

Filó e Ana disse...

Olá!!Só agora vi o seu comentário no blog do sapo, é um blog que não vou muito e nem abro aquele email,hoje abri e vi um comentário de Outubro! Pois pode usar claro uma foto das bonecas da Filó!!Toda a publicidade é bem vinda. De qualquer forma o nosso blog no blogspot está atualizado visite-nos é muito bem vinda.Beijinhos!!

Yola Marujo disse...

Olá Mena

passei para deixar uma joka

boa semana

APO (Bem-Trapilho) disse...

olá amiga, tomei a liberdade de te fazer um desafio bem giro no meu blog! :) passa por lá!
quanto ao desafio quero participar sim. como te disse achei muito gira a ideia. mas ainda nao sei se percebi bem. tu envias-me as continhas e eu a ti, certo? depois publico o desafio no meu blog para receber e enviar mais pecinhas para fazer assim a peça. é isto nao é? desculpa acho que ando meio lenta ultimamente. muita coisa na cabeça ao mesmo tempo!!! :(
entao tb vou precisar da tua morada.
bjinhos grandes!

Brunette disse...

Olá! Está no meu blogue um prémio à espera de vir para aqui!
Bjos e continuação de boa semana.

artes_romao disse...

boa tarde,td bem?
este prato tem um ar apetitoso...
adorei.
assim como estes ultimos trabalhos,parabens.
fika bem,jinhos***