segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Início da Narração (d'Os Lusíadas)


Início da narração

A descoberta do caminho marítimo para a Índia

Esta é a acção central d’ Os Lusíadas que começa, tal como era exigido no modelo clássico da epopeia, in medias res, ou seja, com a viagem numa fase adiantada. Nesse momento, os navegadores portugueses encontravam-se no meio do oceano Índico – “Já no largo Oceano navegavam” – e, até então, tinham feito um percurso previamente conhecido. Daí para a frente relata-se o verdadeiro caminho da descoberta.

Camões assume o papel de narrador heterodiegético, omnisciente e subjectivo.





Síntese (estância 19)

Já os navegadores portugueses navegavam no oceano Índico, quando os deuses se reuniram no Olimpo para decidirem se permitiam ou não que os portugueses encontrassem um lugar onde pudessem descansar e recuperar novas forças para enfrentar a viagem no desconhecido.

Já no largo Oceano navegavam,
As inquietas ondas apartando;
Os ventos brandamente respiravam,
Das naus as velas côncavas inchando;
Da branca escuma os mares se mostravam
Cobertos, onde as proas vão cortando
As marítimas águas consagradas,
Que do gado de Próteo são cortadas

Campo lexical

Este grupo de palavras destacadas (a negrito) está relacionado com uma mesma realidade, a navegação.

Campo lexical é um conjunto de palavras que fazem parte da mesma realidade.

Adjectivo anteposto ao substantivo

Se reparares bem, a maioria dos adjectivos (a vermelho) aparece antes dos substantivos que qualificam.

Este recurso serve para realçar as qualidades dos substantivos e dar mais expressividade ao texto.

Ex.: “largo Oceano” (adjectivo anteposto ao substantivo) é mais expressivo do que “Oceano largo”.



Conjugação Perifrástica

“… onde as proas vão cortando”

Vão

verbo auxiliar - ir

Cortando

verbo principal – cortar; gerúndio

Trata-se de uma conjugação perifrástica. Se substituísses a expressão “vão cortando” por “cortam”, a frase ficaria correcta mas perdia-se o sentido de realização gradual da acção.

A conjugação perifrástica consiste na utilização de um verbo auxiliar no tempo em que se pretende conjugar, seguido do verbo principal no infinitivo ou no gerúndio.

Os verbos que, normalmente, surgem como auxiliares da conjugação perifrástica são: ir, vir, andar, dever, deixar, estar, ter, haver, começar, acabar, continuar, entre outros, e podem exprimir diferentes ideias. Neste caso o auxiliar ir marca a ideia de continuidade.

A conjugação perifrástica confere ao verbo determinados sentidos, como:


· Necessidade - (ter de + infinitivo) Ex.: Tenho de trabalhar. (ter que + infinitivo)

· Certeza - (haver de + infinitivo) Ex.: Hei-de conseguir.

· Intenção ou proximidade de realização - (estar para + infinitivo) Ex.: Estou para partir.

· Realização futura - (ir + infinitivo) Ex.: Vou ler.

· Realização prolongada - (andar a, estar a + infinitivo ou gerúndio) Ex.: Ando a ler um livro.

· Realização gradual - (ir, vir + gerúndio ou infinitivo) Ex.: Vou lendo calmamente.

· Acontecimento simultâneo - (estar a, ir a + infinitivo) Ex.: Ia a sair quando o telefone tocou.

· Probabilidade ou dever - (dever + infinitivo) Ex.: Devo ter esse livro.

· Possibilidade - (poder + infinitivo) Ex.: Eles tinham sido avisados que podiam reprovar.

· Início da realização - (começar + infinitivo) Ex.: Nós começámos a correr.

· Momento final da acção - acabar de + infinitivo / deixar de + infinitivo



Vasco da Gama

1468 (?): Nascimento, talvez em Sines. Filho segundo do fidalgo Estêvão da Gama. 1497: A 8 de Julho parte de Lisboa comandando a frota que irá descobrir o caminho marítimo para a Índia. A 18 de Novembro dobra o Cabo da Boa Esperança.

1498: A 20 de Maio chega a Calecut e enfrenta a hostilidade do respectivo Samorim. A 5 de Outubro inicia a viagem de regresso.

1499: Arriba a Lisboa em fins de Agosto; é recebido triunfalmente.

1502/04: Segunda viagem à Índia. Represálias contra o Samorim de Calecut. Firma aliança com os reis de Cochim e Cananor, onde instala feitorias. Regressa a Lisboa com carga avultada de especiarias.

1524: Terceira viagem à Índia, já com o título de conde da Vidigueira e na qualidade de Vice-rei. Tenta pôr fim a desmandos e abusos. A 25 de Dezembro morre em Cochim.




Trabalhito:

caixa aos retalhos




A Mena na cozinha


Bacalhau Gratinado

500 g de bacalhau demolhado
2 cebolas
6 dentes de alho
1 dl de azeite
1 alho francês
2 cenouras
sal
pimenta

2 colheres de sopa de vinho branco
200 g de cogumelos
300 g de miolo de camarão
800 g de puré de batata
2 dl de natas com 3 queijos

pimentos morrones



Coza o bacalhau, escorra-o, limpe-o de peles e espinhas e faça-o em lascas.
Descasque e corte as cebolas e os dentes de alho em rodelas finas e leve a refogar com um pouco de azeite, sobre lume brando, até a cebola ficar translúcida.
Corte o alho francês em rodelas finas, lave em água corrente e escorra bem. Pele e rale as cenouras em fios, Junte o alho francês e a cenoura ralada ao refogado e deixe estufar sobre lume muito brando.
Junte o miolo de camarão e deixe cozinhar até os legumes estarem moles.
Entretanto, lave os cogumelos, enxugue-os e corte em lâminas.
No restante azeite, numa frigideira larga, junte os cogumelos e deixe saltear até a água que libertarem se evaporar.
Adicione-os depois aos restantes legumes estufados. Tempere com sal e pimenta.


Disponha o puré de batata a toda a volta de um tabuleiro que possa ir ao forno e à mesa, previamente untado com azeite. No centro coloque em camadas alternadas os legumes e as lascas de bacalhau e, por cima espalhe as natas.

Leve a gratinar no forno até a superfície ficar bem dourada.


Enfeite com os pepinos de conserva e pimentos morrones.


Pode substituir o bacalhau por outro peixe, como por exemplo lombos de pescada ou maruca sendo também uma receita óptima para aproveitamento de sobras de peixe cozido.

Miminhos




Estes miminhos foram-me oferecidos por esta amiga.
Aqui ficam para todos os que me visitam e deixam sempre uma palavrinha.

8 comentários:

Sonia Facion disse...

Oi Mena!!!

To Levando, tanks!!!

Aiiiiiiiii... bacalhau é bom de tudo que é jeito, não é?

Sonia Facion disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eunice Martins disse...

OLA AMIGA MUITO OBRIGADA PELOS MIMOS E POR LEMBRAR DE MIM, VOCÊ É MARAVILHOSA JÁ ESTOU LEVANDO,BEIJOS.

Eunice Martins disse...

OLA MENA ADOREI A SUA CAIXINHA FICOU LINDA E A RECEITA É MARAVILHOSA HUMMMMMMMMMM QUE GOSTOSA,BEIJOS E UMA BOA SEMANA.

Chocolate disse...

oi querida!!! a caixinha ficou um espanto, adorei!! beijinhos e boa semana!!

Brunette disse...

Olá!
Mais uma vez, agradeço a generosidade e levo comigo os selinhos (que publicarei logo que possa).
Adorei a caixa. Está o máximo!
Bjos e boa semana

Filó e Ana disse...

Está tudo vcom um optimo aspécto...que delicioso. E a caixinha está muito bonita. Bjs

FazendoArte disse...

Linda postagem!
Já estou levando um selinho de recordação

bjs
:)