terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Os coscorões da minha avó

Estes pais natais foram feitos na escola da minha filhota. Achei-os tão patuscos que não resisti e fotografei-os.


Ter dúvidas é saber...

Pais natais

A palavra natal pode ser substantivo ou adjectivo. É substantivo, quando se refere ao dia ou à época em que nasceu alguém:

- No dia 6 de Agosto, festejamos sempre o natal da minha mãe.


Quando nos referimos ao nascimento de Jesus Cristo, escrevemos com letra maiúscula:
- 25 de Dezembro, é dia de Natal.


É adjectivo nas frases seguintes:
- O meu país natal é Portugal.
- A terra natal da Regina está coberta de neve.


O vocábulo natal flexiona-se em número, seja substantivo ou adjectivo:
- Estive dois natais fora do meu país.
- Na exposição, estavam apenas oito representantes de quatro terras natais.

«O Pai Natal em maiúsculas inspirado na lenda de São Nicolau é só um», como diz João Carreira Bom. Mas os muitos que o representam são os pais natais, em que o adjectivo natal concorda em número com pais, tal como o adjectivo educadores concorda com pais na expressão pais educadores.



A Mena e a mãe na cozinha

Coscorões da minha avó

3 kg de farinha de trigo

1 mão cheia de sal

4 ovos

3 laranjas grandes (raspa e sumo)

Canela em pó

150 g de açúcar

100 g de margarina

40 g de fermento de padeiro

1 tigela de água morna para desfazer o fermento

1 cálice de aguardente

Água


Desfaça o fermento numa tigela com água morna.

Coloque a farinha num alguidar de barro e faça-lhe um buraco no meio.

Deite nessa cova o resto dos ingredientes e misture tudo.

Depois, tenha junto de si uma tigela com água quente para ir molhando as mãos, enquanto amassa.

Vá amassando e quando a massa começar a descolar-se do alguidar, esfarrape-a, amassando de novo, ligando-a muito bem.


Bata a massa também contra o alguidar, pegando-lhe numa ponta, dobre a massa e continue a amassar, molhando, de vez em quando, as mãos na água quente.

Deve esfarrapar e bater com a massa no alguidar alternadamente 7 vezes.
A massa ficará leve e fofa.

Envolva-a num pano enfarinhado e com a mão faça uma cruz e benza a massa. Embrulhe-a num cobertor e coloque-a num ambiente aquecido para levedar cerca de 1h e meia.

Para ver se está lêveda, corte a massa ao meio com uma faca, se fizer buracos já está.


Então, estende-se a massa com o rolo e trabalha-se fazendo flores, entrançados... como mais gostar.

Não se esqueça de untar a mesa e o rolo com óleo para que a massa não se cole.


Fritam-se os coscorões em óleo quente.

No fim, faz-se uma calda com água, açúcar e canela. Deixa-se ferver esta mistura e passam-se os fritos, um de cada vez, por esta calda para ficarem mais fofinhos.

Polvilham-se com uma mistura de açúcar e canela e ficam prontos a servir.


Para benzer a massa:

“ Deus te acrescente que és para muita gente, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, amém”.


Esta receita dá um alguidar grande cheio. Nós fazemos esta quantidade, porque é para toda a família e para oferecer aos vizinhos também. Só passamos pela calda, os coscorões que vão ser consumidos, para ficarem sempre com o aspecto e o sabor de terem sido acabadinhos de fazer.


Esta receita é antiquíssima, era a minha avó quem fazia estes coscorões e antes dela, a mãe, a avó... Neste momento, creio que a minha mãe (com a minha ajuda) é a única pessoa que faz esta receita. Há outras receitas de coscorões, mas estes são diferentes, excepcionais. Experimentem e vão ver...



Trabalhito:


Porta-lápis

No passado dia 23 de Dezembro, antevéspera de Natal, um grupo de dançarinos surpreendeu os passageiros no Aeroporto de Lisboa com um espectáculo ao jeito dos "flashmobs" que se vão realizando um pouco por todo o mundo.


10 comentários:

Maria Cusca disse...

Olá amiga.
Era assim que em casa dos meus pais se faziam os coscorões.
E quem os amassava era o meu pai.
Em alguidar de barro e também era para distribuir pela família, vizinhos, amigos e para nós claro.
Quem esticava a massa era eu e as minhas irmãs e a minha mãe fritava.
Obrigada pelo convite.
Fizeste-me reviver, momentos muito bonitos do meu Natal de alguns anos atrás.
Que o ano de 2010, te traga a realização de muitos sonhos.
Muita saúde, sorte e alegria, para ti e para todos os que te são queridos.
Jinhos grandes e até para o ano.

ஜ♥_Sabrith_♥ஜ disse...

Hum... esses Coscorões parecem ótimos!
Adorei o video também.
Feliz 2010!
Bjokas

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Hummmm...adoro coscorões,embora para estes lados não os façam.

Bjs e um BOM ANO NOVO!

Lisa

artes_romao disse...

boa noite,td bem?
hummm, um belo convite...ao qual agradeço imenso.
muito bem uma receita que não queres perder e fazes muito bem em a conservar.
gostei das restantes novidades...e já tinha visto essa dos dançarinos no aeroporto.
BOM ANO...
fica bem,jinhos***

Brunette disse...

Olá Mena!
Venho desejar-te uma entrada em grande no ano 2010 e que este te traga a concretização dos teus desejos.
Bjocas

Nile e Richard disse...

Oi Nena.
Os papais noel estão uma graça.
A cosinha um primor.
Os trabalhinhos lindos,mas passe para te desejar Feliz Ano novo.
bjtos.Nile.

Gladys disse...

Hola, Mena! Amiga: Gracias por tu cariño, compañía y amistad! Por haber transformado mi año en mágico, cada vez que te asomaste a tu ventana o a la mía! Te deseo para tí y tu familia lo mejor del mundo!!! Te quiero mucho!!! Un fuerte abrazo!!! MIL BESOTES!!!

Abelha Maia disse...

Adoro coscorões.
Feliz Ano Novo para ti e familia.
bjsss

Margarida disse...

obrigada pela receita
a minha mãe e as minhas avó também faziam assim os coscorões na época de natal.
Bom Natal
Amanhã vou fazer

São disse...

A minha mãe fazia assim os coscurões e agora eu, mas é raríssimo encontrar quem também os faça com calda... Obrigado por partilhar!
Festas felizes!