terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O cheiro da professora de Português


Fui ao Centro Comercial comprar umas prenditas. Prenditas? Pois! Isso mesmo, porque o tempo e o dinheiro não está para grandes presentes!
Escolhi um CD e dirigi-me à bicha para pagar. À minha frente um grupo de ex-alunos meus conversavam animadamente à espera da sua vez para pagarem. Não disse nada, quedei-me a observar, constatando que tinham crescido...
De repente, a Inês disse, mandando calar os colegas:
- Não sentem, não vos cheira?
Calaram-se todos e ficaram a olhá-la, expectantes.
- Cheira-me à professora de Português da EBI, não sentem?
Num ápice, viraram-se todos para trás, com certeza para verem quem é que tinha o "cheiro" da ex-professora deles.
- Professora, passaram dois anos, mas eu reconheceria o seu cheiro até no fim do mundo...
E foi uma risada pegada e beijos e abraços e que saudades e que bom vê-la e que bom encontrar-vos e nunca mais tivemos uma professora de português tão boa como a stora e, e, e...
A empregada esperava, entre aborrecida e divertida, que as nossas manifestações de alegria e carinho acabassem.
Olhámo-la felizes, sorrimos, atirámos mais uma última gargalhada e decidimos pagar a nossa música.
Saímos e dirigimo-nos para a porta de saída do Centro Comercial. Despedimo-nos...
- Sempre gostei do seu cheiro, professora!

2 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Sempre me perfumei. Um dos meus preferidos é o Angel.

Uma mulher sem perfume é como uma flor sem cheiro.

Bjs.

Mena disse...

Pois é, Elisa, tens razão!