quinta-feira, 31 de maio de 2012

Desmorrer






Desta vez, a Maria João teve sorte. Nunca tinha visto uma médica a chorar. Foi a Maria João que puxou as lágrimas, quando a Dra. Teresa Ferreira lhe disse que não havia mais metástases dentro dela. Ficámos os três a chorar e a olhar para os outros olhos a chorar.

A minha amada já tinha esquecido o futuro. Já não queria saber da casa nova, do tecido para forrar os sofás, do Verão seguinte. Estava convencida que estava cheia de metástases. Doía-lhe o corpo todo. Tinha desanimado. Estava preparada para a morte. Só a morte é mais triste. Tinha-se preparado para ouvir o que já sabia, para não se assustar quando lhe dissessem que o cancro na mama tinha voltado e que se tinha espalhado por toda a parte.

Depois - mas não logo, porque não é de momento para o outro que se desmorre - voltou a ver vida pela frente. Reapareceu um horizonte e um caminho até lá, com passos para dar. "São tão raras as boas notícias", disse a médica, "e é tão bom dá-las, vocês não imaginam". Nós não imaginámos. Começámos a chorar. As lágrimas ajudam muito. As dos outros especialmente. Chorar sozinho não tem o mesmo efeito. A Maria João tem chorado por razões tristes. Desta vez estava a chorar de felicidade.

Como chora cada vez que ouve ou lê palavras doces, a dar força, a partilhar a dor, a juntar-se para que ela saiba que há muita gente a sofrer com ela, tal é a vontade delas que ela não sofra. Ou sofra pouco. Embora isto de se ficar vivo também se estranhe um bocadinho.



Miguel Esteves Cardoso









Decidi publicar este belíssimo texto, porque também um dia "morri". Esta palavra pode parecer forte, exagerada...,  mas, acreditem, não há outra no dicionário para descrever o que uma pessoa sente, quando confrontada com uma notícia desta natureza, o chão desaparece completamente, deixa de existir, ficamos a vagar entre o céu e a terra, numa espécie de limbo mau... E vem a revolta e vêm as perguntas que nos martelam a cabeça, mas que de lá não saem... E a vida segue o seu ritmo, o tempo passa e vão-se buscar forças a tudo e a nada, porque é preciso não desistir nunca... Mas, como nem tudo na vida é mau, também senti a doce sensação de "desmorrer" e chorei e chorámos e ri e rimos e senti que tinha nascido de novo...



4 comentários:

mfc disse...

Às vezes há finais felizes...

Depois de uns tempos de forçada ausência... cá estamos de novo!
Beijinhos,

Ana disse...

Professora, li este texto e li o que escreveu a seguir e agora compreendo muito melhor a pessoa que a professora é, a sua força, o seu sorriso sempre aberto, os conselhos que nos dá, as suas sábias palavras só podem vir de alguém que teve uma experiência menos boa na vida, mas que superou e como diz o texto "desmorreu". Agora percebo a sua garra, a sua determinação, a sua filosofia de vida, o seu apelo para não desistirmos dos nossos sonhos, para olharmos à volta e vermos como tudo é belo, para encontrarmos coisas positivas em tudo o que nos acontece mesmo nas coisas más, no insucesso, para vivermos um dia de cada vez intensamente, porque é o que temos certo, "o passado passou, o futuro é incerto"... Uma pessoa como a professora não passa pela nossa vida sem deixar marcas, marcas boas, nunca a vou esquecer, porque foi a melhor professora de português que tive e pela pessoa linda que é principlamente por dentro...

Gosto muito de si, mesmo quando ralha, mesmo quando nos dá na cabeça, mesmo quando nos dá sermões, porque a seguir sorri sempre para nós, ri-se connosco e parece que já se esqueceu de tudo.

Gostava que fosse minha professora para o ano, eu sei que se fosse possível a professora era nossa professora sempre até acabarmos o 12.º ano.

Muitos beijinhos e até segunda-feira


Ana

Anónimo disse...

Morremos e desmorremos tantas vezes! Mas, há desmorreres que sabem a um novo renascimento... É como se a nossa vida tivesse parado algures... Depois, retomamos, normalmente, de um outro modo, é uma nova vida...

bj

Mena disse...

Olá Ana!

És uma querida! Gosto muito de ti e dos teus colegas... Claro que seria vossa professora "para sempre"! Não vos esquecerei nunca...

Pronto, já sinto os olhos aguados...

Bj e até segunda-feira nas aulas de apoio, toca a estudar para o exame...