sábado, 14 de junho de 2008

Marchas Populares

OS SANTOS POPULARES

Lisboa veste-se de cravos rubros, enfeitam-se as janelas com vasos com manjericos, sendo costume colocar na copa do manjerico, um cravo encarnado com uma bandeirinha hasteada com uma quadra popular escrita.
Ateiam-se fogueiras para assar as sardinhas e os rapazes e raparigas saltam e bailam à sua volta até raiar o dia.


A alcachofra brava também tem o seu simbolismo nestas festividades, quem queria saber se era correspondida/o no amor, devia chamuscar na fogueira uma alcachofra em flor e se a mesma, passados alguns dias, voltasse a florir, era sinal que o amor era sincero e daria em casamento.

Estas festas populares realizam-se no mês do solstício de Verão, numa altura em que os dias são maiores. Este solstício sempre foi considerado um período de celebração e exaltação. Celebram-se as colheitas conseguidas e a fertilidade e produtividade das terras. Paralelamente, começou a exultar-se a fertilidade humana, simbolizada nas plantas aromáticas como a cidreira, a alfazema e o tão afamado manjerico. Daí a tradição popular dos jovens oferecerem às namoradas um manjerico...

O manjerico é uma espécie de "primo afastado" do manjericão, uma erva aromática usada na culinária...
Esta planta enquadra-se na mesma categoria do alecrim ou do alho-porro, sendo considerada uma "planta benfazeja" - é uma planta que dá boa sorte, uma planta que traz energia positiva, sendo ao mesmo tempo símbolo de fertilidade, de bonança. O manjerico é também considerado um escudo contra as forças exteriores negativas - o "mau-olhado"...

O manjerico a "erva dos namorados" é a planta mais popular das festas de S. João e de Santo António.

INFUSÃO DE MANJERICO (bebida energética) - coloque 5 gramas de folhas frescas numa chávena de chá a ferver, junte umas gotas de limão e adoce com uma colherinha de mel.

O manjerico pode ser combinado com omeletas, ovos mexidos, carne, peixe, saladas e massas, condimentando os pratos sempre no fim sem cozinhar as folhas e cortando-as à mão.


ORIGENS
DAS MARCHAS POPULARES

No fim do séc. XVIII, os franceses iniciaram a moda de dançar em marchas militares, Marche aux Flambeaux, celebrando assim a tomada da Bastilha, desfilando em marchas com archotes na mão.
Com as invasões napoleónicas, para além dos valores da Revolução Francesa, ficou este costume, tendo o povo "aportuguesado" a palavra flambeaux, passando a designá-la de Marcha ao Flambó. Os portugueses, no entanto, em vez de usarem archotes, começaram a usar balões de papel e fogo-de-artifício vindo da China, muito em voga em inícios de séc. XIX...

Corria o ano de 1932, quando foram incluídas nas festividades em louvor de Santo António as “marchas populares”, com desfiles colectivos dos moradores de cada bairro da capital. Desfilava-se, então, ao som de músicas alegres, que tinham de obedecer, tal como as letras, os trajos dos marchantes e a própria ornamentação dos arcos enfeitados com balões, a um tema alusivo (histórico ou relativo às características de cada bairro).

Mais remotamente exibia-se já a chamada Marche aux Flambeaux, adaptada da tradição francesa, popularmente designada por “Marcha ao Flambó”, como expliquei anteriormente. Estas marchas eram organizadas por cada bairro onde se festejasse o Santo António e eram formadas por pequenos grupos, que desfilavam sem grande aparato de apresentação ou de coreografia, geralmente dirigidos por um ensaiador que os orientava utilizando um apito. Os marchantes exibiam-se, preferencialmente, “às portas e em frente das janelas dos Paços Reais, dos palácios da nobreza ou das casas ricas”.

Nesse ano de 1932, foi instituído um prémio para a melhor marcha, tendo concorrido apenas três bairros de Lisboa: Alto do Pina, Bairro Alto e Campo de Ourique. Outros três limitaram-se a participar: Alcântara, Alfama e Madragoa. Dois anos depois, concorreram doze bairros. A ideia estava lançada e bem aceite por toda a cidade, tornando-se as marchas na maior manifestação etnográfica dos festejos a Santo António, com os desfiles e exibições habituais na Avenida da Liberdade e Parque Eduardo VII.

Os tronos de santo António

Os tradicionais tronos ou altares de Santo António, que se erguem pelas ruas dos bairros populares de Lisboa, num qualquer recanto ou à porta de casa, são, geralmente, da autoria das crianças.

Estes são armados num banco baixo ou em degraus feitos de caixas ou caixotes, forrados com um pano branco, ostentando no degrau cimeiro a imagem do santo, quase sempre em barro. O resto são os enfeites de papel colorido, as flores, as velas, os vasinhos de manjerico, as figurinhas e os pequenos objectos dispostos ao gosto de cada um. Há também altares ou tronos mais elaborados e de maiores dimensões em lugares públicos, símbolo da devoção popular dos moradores de cada rua, ou pátio dos bairros antigos de Lisboa.

Junto dos tronos, as crianças pediam antigamente a quem passava: “cinco reizinhos para a cera de Santo António”, valor monetário substituído, entretanto, pelo “tostãozinho”, a dar lugar, por sua vez, à frase actual “dê qualquer coisinha para o Santo António”.

Noutros tempos, este peditório era feito nos Domingos de Maio, prolongando-se até ao dia de Santo António. Eram também as crianças que outrora anunciavam o início dos festejos em corridas pelas ruas da cidade, soprando os pequenos “rouxinóis” (apitos de barro com várias formas, alguns representando figuras humanas ou animais que se enchem de água e que produzem sons melodiosos, lembrando o canto dos rouxinóis, ainda hoje vendidos, sobretudo, nas feiras e nas romarias do norte).

No que respeita à primitiva capela em louvor de Santo António, terá sido edificada no local da casa onde nasceu o santo, sacralizada logo após a sua canonização. Por volta de 1495, D. João II, em cumprimento de uma promessa, quis construir um oratório público na capela, de modo a que os devotos pudessem efectuar ali as suas orações. Devido à sua morte, essa incumbência passou para D. Manuel I, que mandou demolir a capela, construindo no seu lugar a Real Casa e Igreja de Santo António, arrasada depois pelo terramoto de 1755.

Destruída a igreja, o povo apressou-se a contribuir para a sua reconstrução, erguendo altares ou tronos pela cidade, numa manifestação pública da sua devoção, conseguindo com as esmolas obtidas um contributo importante para a reedificação da igreja dedicada ao santo – a que se juntaram os “reizinhos” pedidos pelas crianças de Lisboa, daí resultando a tradição dos populares tronos de Santo António.

Santo António de Lisboa ou Santo António de Pádua (por ter vivido e pregado nesta cidade de Itália) morreu a 13 de Junho de 1231 no Convento de Arcella, em Camposampiero, tendo sido a sua canonização, a 30 de Maio do ano seguinte, a mais rápida da história da Igreja católica.


Miminhos:

Recebi estas rosas da amiga Nile e ofereço-as a todas as amigas que me visitam.




Pataniscas de Atum

Esta receita está aqui!
Agora podem ver como se confecciona através destas imagens!

Deita-se a farinha numa tigela, abre-se uma cavidade no meio e deita-se o azeite, o sal e os ovos. Começa-se a mexer no centro com uma colher de pau até envolver toda a farinha. Depois, sem parar de mexer, junta-se a água em fio até se obter uma massa leve.

Junta-se o atum desfiado, a salsa e a cebola picadas.

Mexe-se tudo muito bem. Deita-se azeite ou óleo numa frigideira e deixa-se aquecer.

Com uma colher de sopa, colocam-se porções separadas e viram-se logo que fiquem douradas.


Quando estiverem douradinhas dos dois lados, retiram-se da frigideira e colocam-se sobre papel absorvente para tirar o excesso de azeite.

Depois de bem escorridinhas, enfeitam-se com um raminho de salsa. Servem-se com arroz branco ou de tomate, feijão frade e uma boa salada.


Trabalhito bem colorido

Mais um colar feito pela minha filhota: peças em fimo, bolas e flor de feltro (desenhadas e feitas por ela), peças de vidro, madeira e porcelana, fitas...






Agora, vamos lá a descontrair!...

Sete irmãos criam juntos um espectáculo único, cheio de luz, música e dança...
“Los Vivancos conseguem combinar flamenco, música, teatro, luta e artes circenses no mesmo espectáculo".
"Se acreditarmos que o destino existe, então consideramos que o nosso é dançar juntos... como um todo".


How Peaceful Are You?


You Are 79% Peaceful

You are a very peaceful person. All is good in your world, no matter what's going on.

Occasionally you let your problems get to you, but you generally remain upbeat.

Your inner strength is inspirational - much more so than you may realize.

21 comentários:

maiu :) manchinha da vaca disse...

Olá Mena querida, como está?!
Adorei a receita, apetitosa demais hummmm, e sobre o que falaste sobre Santo Antonio!
E sua filha é um encanto mesmo hein, lindo o trabalho dela, esta a seguir os passos da mãe rss
Beijinhos e otimo fim de semana!!!

artes_romao disse...

Boa noite,td bem?
agradeço mais uma vez a visita...
sabes és uma querida, sempre a mimar-se com estas coisas lindas,obrigado...
vou ja leva-los p o meu bog, vai ficar bem mais florido,hehe...
o teu post sobre sto António continua maravilhosa...e esta alcachofra esta um encanto,lindissima.
cont.bom fim d semana.fika bem,jinhos***

Daniela Tavares disse...

Oi!!

Eu gosto muito destas alturas das marchas... ligo a Tv e meto-me a avaliar as marchas todinhas!!!

Mas este ano não estive em casa e não deu ='(

Obrigado pelos mimos lindos!!! Logo postarei!! Acho que consigo cheirar as rosas daqui!

Nunca tinha ouvido falar de pataniscas de atum, mas como muitas vezes pataniscas de bacalhau...

E o colar! Meu Deus, amiei-o mesmo! Cada vez surpreendes-me mais com estes trabalhos!!! Este, tão colorido, e simples ao mesmo tempo, tal como eu gosto!!!

Beijos!!!

='D

Bom domingo!!!!

Chocolate disse...

Olá querida!!
obrigada pelos miminhos, já estão lá no meu cantinho.
beijinhos e bom domingo! :)

Habiba disse...

ola querida... sao lindos os miminhos, brigada!
O teu novo colar esta muito bonito, adoro as cores. beijinhos e um bom resto de domingo

sweetie Mafalda disse...

Olá amiga!!
Como sempre o teu post deixou-me fascinada, pois aprendo sempre coisas novas, o que é óptimo!!!
Não sei como consegues ... mas arranjas sempre tempo para pôr a malta informada sobre as tradições e as coisas importantes do nosso país. Muito obrigada!!!
Adorei as flores, são lindas e claro que vou levá-las para o meu blog.
Beijos e bom Domingo
Mafalda

sweetie Mafalda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
artes_romao disse...

Boa tarde,td bem?
ontem eskeci-me de te dizer k a tua menina ta a ficar com maos de fada como a mae,ehhe..
ja ta com o bixinho da bijuteria como tu?! lol...
e ainda bem...parabens a ela.
fika bem,jinhos***

Dulce disse...

Olá Mena,
Obrigada pelos miminhos, são sempre queridos e benvindos. O santo de Lisboa lá passou, não sou muito dessas festas, já fui(deve ser da idade), os trabalhinhos da filhota estão bem feitinhos e as pataniscas devem ser boas. Vou experimentar cá em casa. Sabias, de tudo da casa, realmente a cozinha não é a minha predilecção, por graça costumo dizer que quando me saír o euromilhões, o cozinheiro é o 1º a ser contratado, era a mulher mais feliz!!!!!!!

Boa semana

Beijinhos

Crisfonseca disse...

Olá Mena,
que belas psotagens, amei o texto , aprendi algumas informações com ele, e amei esta delicia de receita, de dar água na boca.
Beijoss

Moquinhas disse...

Bem vou ter que esperimentar essas pataniscas é cedinho mas até que provava uma agora:))
Adorei o colar cheio de cores mesmo lindo!!
Beijoquinhas e boa semaninha!!

Moquinhas disse...

Bem vou ter que esperimentar essas pataniscas é cedinho mas até que provava uma agora:))
Adorei o colar cheio de cores mesmo lindo!!
Beijoquinhas e boa semaninha!!

εïз Andrea Cris εïз disse...

Olá Amiga
Adorei a postagem vou fazer as Pataniscas de Atum deu agua na boca humm.
E o colar feito pela sua filha que encanto
Obrigada pelo Mimo fiquei muito feliz estou levando com muito carinho
TENHA UMA OTIMA SEMANA
Bjs
Andrea

sweetie Mafalda disse...

Oi amiga,

quando puderes passa no meu blog, tenho lá um trabalho novo e gostava de saber a tua opinião sobre ele.
Boa semana
Bjs
Mafalda

Sylvana disse...

Que buena receta, voy a ver si la puedo poner en practica. Luego te cuento.
Un beso grande y que tengas una muy linda semana

Bah disse...

Mena, querida,

Que lindo colarzinho que sua filha fez! E as receitas são sempre pra nos dar água na boca, né?

Tem um mimo pra você no meu blog!
Dá uma passadinha lá!

Bjinhos e tenha uma linda semana!

ÁNGELES disse...

Gracias Mena, por esas rosas tan bellas, lograste con tus Mimos, levantarme el ánimo. Ahora sí estoy segura que a pesar de todo, tendré una semana estupenda. Me tuve que valer del traductor para entender tu mensaje.
El collar te ha quedado precioso, esos colores tan llamativos, tan vivos, de verdad ¡HERMOSO!.
Voy a practicar la receta de las croquetas de atún,la boca se me hizo agua. Cariños.
Ángeles Nessy

linita disse...

Olá Mena!o teu post sobre o Santo António,está lindo,a tua filha tambem é linda,passei para te desejar uma boa semana bjinhos

Sonia Facion disse...

Lindos postes Mena!!!
Passe por meu blog que tem mimo para ti.
Bjks
Sonia

Daniela Veiga disse...

Olá Mena!
Obrigado pelos miminhos, desejo uma boa semaninha com muitas coisinhas boas!
Bjinhos

Cor de Mel disse...

Olá Mena,
Por estas e outras, é que gosto mesmo deste blog, pois além dos trabalhos lindos que nos mostra, como é o caso deste colar, ainda aprendemos e muito, com as suas pesquisas sobre os assuntos que decide tratar. Adorei os textos das marchas e dos Santos Populares, as pataniscas de atum, o máximo!! Faz favor de não tirar daqui a receita, pois brevemente virei copiá-las e tentar fazê-la. Será a minha estreia com pataniscas, que adoro, mas como não tenho jeito nenhum para os fritos, evito fazê-los...
mas as pataniscas não me vão escapar!! Depois mostro o resultado.
O Vídeo, não conhecia, mais adorei!!!
Beijinhos grandes,
Lia.