quarta-feira, 18 de março de 2009

Inês e Policena

XI

Episódio de Inês de Castro - linguagem e estilo

- das estrofes 131 a 135

Estas estrofes constituem os dois termos de uma longa comparação em que o poeta compara o assassínio de Inês pelos "brutos matadores" com a morte violenta de Policena, filha de Aquiles, sacrificada pelo "duro Pirro" sobre o túmulo do pai dela. Com esta aproximação do "caso triste" de Inês com o bárbaro assassínio da "linda moça Policena", o poeta pretende realçar a brutalidade do assassínio "daquela que depois de morta foi rainha". Repara nos pontos de contacto que existem entre os dois casos: à "linda Inês", "fraca dama delicada", corresponde a "linda moça Policena", "paciente e mansa ovelha"; os "brutos matadores" igualam a ferocidade do "duro Pirro"; a solidão dos filhos de Inês e do seu marido compara-se à solidão da mãe de Policena; a causa da morte de Inês não está nela própria, mas noutras razões, como a causa da morte de Policena não está nela, mas na "sombra" do pai Aquiles. Observa também que, no paralelo estabelecido entre as mortes trágicas de Policena e Inês, a nota mais terna e comovente se encontra nos olhos das duas infelizes Senhoras: "os olhos com que o ar serena / (...) na mísera mãe postos" (Policena); "as brancas flores / que ela de seus olhos regadas tinha" (Inês). Nos retratos clássicos de mulheres, os olhos são um dos poucos elementos físicos que aparecem, porque eles representam mais as características psicológicas do que físicas, o que está de acordo com o tipo de mulher espiritualizada, mulher deusa, habitual nas literaturas clássicas. Os olhos de Policena, como os de Inês, simbolizam a beleza, a ternura, a inocência, a saudade, a súplica dolorosa..
No segundo termo de comparação (estrofe 132), revela-se o apreço do poeta por Inês e a sua reprovação em relação ao brutal assassínio. Os "brutos matadores" (é assim que ele denomina os assassinos de Inês) "se encarniçavam férvidos e irosos" (é assim que o poeta caracteriza a cruel acção), "No colo de alabastro que sustinha / As obras com que Amor matou de amores / Aquele que depois a fez rainha,/ As espadas banhando e as brancas flores..." (é assim que ele sugere a elegância e beleza extraordinárias próprias de rainha), a única culpa que ela tinha era a de ter cativado (matou de amores) o seu Pedro. Inês surge-nos aqui, pela mão do poeta, revestida da nobre elegância de rainha, bem adequada a uma personagem da tragédia clássica, vítima inocente do Amor. Repara na antítese entre espadas (objecto de suplício manejado pelos carrascos) e "brancas flores / que ela dos seus olhos regadas tinha" (símbolo da inocência de Inês, vítima do cruel destino). Conclui-se, pois, daqui o que o poeta já tinha referido na introdução: "Tu, só tu, puro Amor, com força crua, / deste causa à molesta morte sua". O Amor (personificado) confunde-se aqui com o Fado, o Destino, constituindo-se no grande agente da tragédia que vitimou Inês. E esse amor teve origem na sua beleza; Inês foi vítima do amor, isto é, vítima de si própria, da sua própria beleza: a sua única culpa estava em ser bela. Tudo isto sensibilizou o coração do poeta, fazendo com que utilizasse arrojadas personificações, apóstrofes e comparações, numa linguagem rica de imagens, adaptada a realçar a brutalidade do assassínio da "fraca dama delicada": "Bem puderas, ó Sol, da vida destes, / teus raios apartar, aquele dia, / como da seva mesa de Tiestes", "Vós, ó côncavos vales...". A reprovação emocional do triste caso, é-nos dada ainda pelo poeta, quando, na estrofe 134, compara a pálida donzela, morta, à bonina (florzinha) que perde o perfume e a cor, ao ser cortada antes do tempo e maltratada pelas mãos traquinas de uma menina. Repara também na expressividade dos adjectivos: cândida e bela, lascivas (atenta na antítese entre a bonina cândida e bela e as mãos lascivas), pálida, branca e viva, doce. A emoção do poeta perante a morte de Inês revela-se também, na estrofe 135, mediante o comovente treno das "filhas do Mondego, que a morte escura / longo tempo chorando memoraram" (nota a expressividade da expressão morte escura e o aspecto durativo do gerúndio chorando), e mediante a evocação das lágrimas lendárias da fonte dos amores cuja memória ainda hoje perdura.

- da fala de Inês (de 126 a 129), salientando as marcas do discurso apelativo

As marcas do discurso apelativo são visíveis no uso da 2.ª pessoa (ó tu, tens, te, sabes, to, viste) e do imperativo (tem respeito, mova-te, sabe, põe-me). Na função apelativa da linguagem, a mensagem centra-se no receptor (aqui D. Afonso IV); daí a insistência da 2.ª pessoa (tu, te, to). O imperativo, modo dominante deste discurso, traduz o essencial desta função da linguagem: imperar, apelar, suplicar. O vocativo (ó tu) é também próprio das duas funções quase sempre interligadas: a função fática e apelativa.
Repara que no discurso de Inês não encontramos a linguagem familiar, coloquial, que seria natural entre duas pessoas que, apesar de tudo, eram familiares. Há neste discurso a mesma solenidade clássica que encontramos nos discursos de Camões, de júpiter, de Baco, de Marte, do Velho do Restelo. Os longos períodos com predominância da ordem inversa das palavras (hipérbatos), a colocação das orações subordinadas antes das subordinantes, o uso frequente de palavras eruditas (natura, intento, maura, mísero), a referência a factos lendários da antiguidade não são marcas da linguagem coloquial, familiar. Esta linguagem clássica e solene pertence ao poeta, este nunca se despersonaliza, esta linguagem tem a marca de um humanista - a sua própria marca. Além disso, este tom solene e grave da fala de Inês não destoa num discurso apelativo, pois é dirigido à realeza, a um sogro austero, num discurso trágico.

A Mena na cozinha

Coelho com feijão e cogumelos

1 coelho
2 dentes de alho
azeite
1 cebola
500 g de cogumelos sortidos (laminados, portobello, pleurotos)
1 tomate maduro ou concentrado de tomate
feijão branco ou manteiga
sal
pimenta
raminhos de tomilho fresco

Marinada:

1 colher de sopa de azeite
1,5 dl de vinho tinto
2 dentes de alho às rodelas
louro
tomilho
sal

Corte o coelho em pedaços e deixe-o a marinar cerca de três horas.
Aloure os alhos esborrachados ou cortados em pedaços em azeite (2 colheres de sopa). Junte o coelho bem escorrido da marinada e aloure-o. Adicione a cebola picada e refresque com metade da marinada. Deixe cozinhar lentamente. Se necessário junte o resto da marinada.

Junte os cogumelos lavados e cortados grosseiramente, assim como o tomate aos pedaços. Deixe cozer mais um pouco.
Adicione o feijão cozido que considere necessário (para 800 g de coelho, eu junto cerca de 500 g de feijão cozido e escorrido). Tempere com sal e pimenta. Se gostar, adicione os raminhos de tomilho e envolva.

Bom apetite!




Trabalhinho:
Bandolete


Desafio

Recebi este desafio da Sónia, já há algum tempo, mas ainda não tinha tido um momento livre para procurar uma foto para publicar. Hoje, tirei um tempinho e seleccionei não uma, mas duas fotografias, testemunhos de uma época da minha vida.

Digam lá se eu era ou não um bebé lindo?

Aqui, estou sentada ao colo de uma estátua (sempre gostei e ainda gosto de colo!) , no Parque desta cidade onde vivo. Quando não tínhamos aulas, era aqui que passávamos bons momentos. Bons tempos estes de menina do liceu!

Regras:

O desafio consiste em postar uma foto à nossa escolha;

Divulgar o nome da pessoa que te desafiou: está acima.

Passar para 8 blogueiras, ei-las:

- Paula
- Estela
- Eunice
- Mary
- artes_romao
- Chocolate

- Sabrina

- Elsa



Recado para a Estelinha

Troquinha: Enviei e recebi a troca Pandorfimo que efectuei com a Estela. Estelinha, gostei de tudo, tudo, mas não tirei fotografia, pois a máquina estava com um probleminha. Se fotografaste e se colocares no teu blogue, eu passarei por lá e trá-la-ei para aqui. A minha filhota roubou-me os doces todos, praticamente nem os vi. Olha, também me esqueci de fotografar a minha parte, por isso quem quiser ver o que eu enviei, passem por aqui e vejam em - "Um novo dia, com miminhos entregues e recebidos!"
Um beijinho grande, amiga!

10 comentários:

Mary disse...

Mena, obrigada, logo que possível posto-o!
Esse coelhinho está muito bem acompanhado! Bela refeição! :)

Brunette disse...

Olá Mena!
Ainda bem que já recebeste o que te enviei. Assim que possa, coloco a foto no meu blogue. Por enquanto ando ocupadíssima...já sabes como é a azáfama de um período que está quase a terminar!
Agradeço-te todos os desafios que me passaste, logo que possa publico-os (só espero que este fim-de-semana seja mais rentável!).
Bjos

Sonia Facion disse...

Mena, como é gostoso recordar, não?!!!

Se deixarmos, sempre teremos coisas para contar e relembrar que nos trazem saudade.

Bjks, querida.

Sonia

Chocolate disse...

olá querida!
tão giras as fotos!! obrigada por me teres passado o desafio ;)
beijinhos!!
ps: o trabalho também ficou mt bonito!

artes_romao disse...

boa tarde,td bem?
antes de mais, kero agradecer o desafio...
assim k tenha mais tempo, respondo.
quanto as tuas fotos,estao um mimo...
e os trabalhos tb.
fika bem,jinhos***

Nile e Richard disse...

Oi Nena.
Um texto maravilhosos.
A sua cozinha está muito saborosa.
os trabalhinhos estão lindos.
Feliz dia do artesão para voce.bjtos.Nile.

Catita disse...

Amiga!!!!


Amei suas fotos!!!
A de bebê está mesmo uma fofura!!!


Passei para ver as novidades!!!
O coelho parece muito apetitoso (apesar de eu ter muita dó desses bichinhos e nunca ter tido coragem de provar um...)!!!! rsssrsrs


Que tenhas um linfo fim de semana, com muitas coisas boas para aproveitar!!!!


Beijinhos catitos, fica bem!!! =]

Joanita disse...

Olá!!!

Deste post gostei especialmente da tua foto de bebé!!! =) Super querida!!

E já agora aproveito para dizer que finalmente coloquei algo novo em "Sonhos de Algodão" :)

http://sonhos-de-algodao.blogspot.com/

*Beijoquinhas,
Joanita

Sabrith disse...

Adorei ver suas fotos... esse bebezão fofo dá vontade de morder kkkkkkk
Bjokas :)

Feltro em casa disse...

Oi Mena!!!
Adorei sua nova fornada de fimo e seu prato de frango com caril...o de coelho não!! Não me imagino comendo coelho, não dá!!!...
Mas adorei mesmo foi as suas fotografias, adorei...que bebe fofo e a de estudante? Voce era loira!!!uma graça!!
Beijos e bom fim de semana para voce e sua familia!!

Malú