sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Conta-corrente



Conta-corrente de Vergílio Ferreira



Os nove volumes de diário Conta-Corrente (1980-1994) evocam-nos, através do título, um livro de contas onde se faz a relação da vida nas suas mais diversas dimensões. Vergílio Ferreira iniciou esta tarefa no dia 1 de Fevereiro de 1969 e os volumes deste diário foram publicados ao longo de cerca de 25 anos.



Conta-Corrente 1 - Excerto


25-Abril (quinta). Às sete da manhã, um amigo telefona-me: «Ouça o rádio.» Ouço sem entender: rebentou a Revolução. A Revolução? Que Revolução? Por fim lá vou compreendendo. Toda a manhã a rádio nos vai esclarecendo com notícias. Passámos o dia à escuta. Será possível?


26-Abril (sexta). Vitória. Embrulha-se-me o pensar. Não sei o que dizer. Uma emoção violentíssima. Como é possível? Quase cinquenta anos de fascismo, a vida inteira deformada pelo medo. A Polícia. A Censura. Vai acabar a guerra. Vai acabar a PIDE. Tudo isto é fantástico. Vou serenar para reflectir. Tudo isto é excessivo para a minha capacidade de pensar e sentir.


Vergílio Ferreira, Conta-Corrente 1




A função emotiva predomina, muitas vezes, neste género de textos. Vejamos as marcas da função emotiva presentes no excerto acima apresentado:


“Será possível?” - Frase interrogativa que sugere dúvida.


“Uma emoção violentíssima.” - Adjectivo no grau superlativo absoluto sintético que exprime a intensidade da emoção.


“A Polícia. A Censura. Vai acabar a guerra. Vai acabar a PIDE. Tudo isto é fantástico.” - Sucessão de frases curtas que imprime um ritmo acelerado ao discurso, um reflexo da emoção do sujeito.


“Como é possível?” - Frase interrogativa que exprime espanto.


“Que Revolução?” - Frase interrogativa que exprime confusão.


“Vou serenar para reflectir. Tudo isto é excessivo para a minha capacidade de pensar e sentir.” - Verbos e pronomes na primeira pessoa que remetem para uma linguagem pessoal e subjectiva, muito comum em biografias, memórias, diários e textos líricos.



As funções da linguagem


Função emotiva - A mensagem, pessoal e subjectiva, expressa os sentimentos do emissor.


Função poética - Centra-se sobre a mensagem e usa-a para chamar a atenção para o modo como ela própria é organizada.


Função apelativa - Visa determinar um comportamento activo no destinatário, ou seja, a linguagem organiza-se no sentido de persuadir o receptor.


Função fática - Centralizada no canal, tem como finalidade prolongar ou estabelecer a continuidade da comunicação.


Função metalinguística - É usada para reflectir sobre o código, para definir ou descrever as suas propriedades no uso da própria linguagem.


Função referencial - Põe em destaque o contexto: o objectivo do emissor é simplesmente informar o seu receptor. A ênfase é dada ao conteúdo, às informações veiculadas pela mensagem.




A Mena na cozinha

Figos de piteira

O meu marido apanhou-me estes figos! São óptimos! Para os apanhar, devemos usar luvas, porque os picos são tão fininhos que se ferram de tal modo nas mãos que é um desespero...

Antes de se comerem, temos de os passar pelo lume para lhes queimar os picos. Depois descascam-se e comem-se ao natural ou polvilhados com canela.


Trabalhito:

marcador

Miminho

Recebi este selinho da Anamir e da Soninha! Obrigada, amigas!

Regras:

Postar o selo;

Postar o link de quem o ofereceu

Responder às perguntas (curiosidades):

Cor de esmalte: branco ou bordeaux

Cor de baton: várias cores (rosa velho, rosa escuro, bordeaux)

Ama: a vida, a família, a liberdade, o sol, as artes

Odeia: injustiça, hipocrisia, falsidade

Música: todas...que são boas (concordo com a Ana)

Livro: tantos...

Meu maior sonho é: viver para poder acompanhar a vida dos meus filhos

Depois, indicar cinco amigas bloguistas do coração e avisá-las: E estas são as minhas amigas... é claro que há sempre outras tantas, mas... regras são regras!

Sabrith, Lisa, Brunette, Edilene, Apo, Rita, Rebeca e Jota Cê, Mary, Maria Cusca, Nile e Richard, Abelha Maia, Eunice.




7 comentários:

artes_romao disse...

boa noite,td bem?
hummm, novidades...
que bom. em relação aos figos não conhecia.
e sem bem dar o valor a esses picos, já tive uns poucos nos dedos:(
quando tinha aqui o meu 'mini'lago' com cactos também acompanhar...lol.
o miminho é a mim, que te referes?!
gostei do trabalhinho...
bom fdsemana, fica bem.
jinhos***

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Mena,

Adorei o meme e acabei de responder, olha lá:

http://selospremiosmimos.blogspot.com/

Beijo grande, menina linda.

Rebeca


-

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Falei com o meu e claro que podes usar a lenda.

Quanto à biografia o meu pai vai mandar-ma e logo a terás. Preciso é de um contacto teu para ta enviar.


Achei piada ao teu post sobre os figos da piteira.
Comi muitos, mas com canela nunca provei.

tenho um post já agendado para Novembro em que falo deles.

Obrigada pelo mimo...breve responderei ao desafio.

Bjs.

Lisa

Maria Cusca disse...

Olá amiga.
Mais uma linda lição de Português.
Dá gosto ver a paixão, que pões nos temas e no ensino.
Parabéns.
Os marcadores, estão muito criativos e originais.
Os figos de piteira, tem muito bom aspecto, com canela nunca comi.
Mas quando a minha piteira der figos, vou experimentar.
Obrigada pelo lindo miminho.
E se queres uma fatia de bolo aparece...
Jinhos grandes

Mary disse...

Mena jamais me passaria pela cabeça que esses rebentos dos cactos se comessem! Da próxima que os encontrar experimento...tens mesmo a certeza que não são venenosos? Não é nenhuma partida pois não? Hahaha!!! :)
I believe you dear! Bom FDS****

Brunette disse...

Olá Mena!
Muito obrigada pelo desafio, sempre será um "empurrãozinho" para que eu actualize o meu blogue, o trabalho já é muito e, por isso, tenho andado mais ausente...
Bjos

APO (Bem-Trapilho) disse...

olá amiga!
finalmente respondi ao teu desafio! :) desculpa a demora.
já está lá no blog.
muito obrigada por te lembrares de mim.
bjinhos :)