sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A Descrição

Rio Tejo - Lisboa





Guião para produção de textos descritivos


Descrever é um processo no qual se empregam os sentidos para captar uma realidade e transportá-la para o texto. Descrever é, assim, pintar com palavras, mostrar aos leitores ou ouvintes, através de palavras, como é uma pessoa, um ambiente, um objecto ou, até mesmo, um sentimento ou emoção.

Aquando da produção de um texto descritivo, seja enquanto sequência que compõe um outro tipo de texto seja enquanto dominante textual, propõe-se a adopção da seguinte metodologia de trabalho:



Fase A

1. Definição do tema-título que vai ser descrito (normalmente associado a espaços, paisagens, períodos temporais, retratos, imagens, produtos resultantes de uma sucessão de acções, comparações).

2. Adopção de uma perspectiva ou ponto de vista face à descrição a fazer: subjectiva (reflectindo o ponto de vista do emissor)/objectiva (transmitindo informação factualmente comprovável).

3. Observação - sem observação não há descrição; é preciso confrontar a realidade a descrever com a que se encontra no papel. A observação implica os cinco sentidos (vista, ouvido, olfacto, gosto e tacto). Observados os pormenores, seleccionam-se aqueles que melhor caracterizam a realidade a descrever.

4. Esquematização do plano da descrição pela:


a) enumeração das partes constitutivas do tema-título;

b) associação de características/propriedades a cada uma dessas partes;

c) definição de campos de descrição/observação: sectores (direita, esquerda, superior, inferior…); planos (primeiro, segundo…, de fundo);

d) construção de relações adequadas à expansão descritiva (comparações, metáforas, metonímias, relações de palavras, estruturas modificadores);

e) escolha do ponto e da ordenação da descrição/observação (estático/ dinâmico; geral/de pormenor).



Fase B

1. Elaboração de um primeiro registo escrito que dê conta:

a) de uma ordenação no processo de descrição;

b) de uma impressão de conjunto da realidade a descrever;

c) da descrição pormenorizada das partes e das características mais individualizadoras (formas, matéria, cheiro, sons, cor, brilho, etc.), tendo em atenção o recurso a:

- estruturas nominais;

- estruturas adjectivas ou outras equivalentes na função de expansão e modificação da entidade a ser descrita;

- processos estilísticos sugestivos para a descrição (recurso a comparações, metáforas, adjectivação, sinestesias…);

d) de uma conclusão que utiliza outros dados considerados relevantes ou que corresponde a uma apreciação final de conjunto face à entidade descrita;

e) da natureza factual da entidade descrita (predominando o tempo verbal do presente) ou da dimensão ficcional dessa entidade (predominando o pretérito imperfeito).



Fase C


Revisão do texto, atentando:

a) na organização esquematizada (ordenação da descrição, segmentação por parágrafos);

b) na correcção linguística do texto.



Alguns conselhos práticos


1. Não é aconselhável apresentar todos os pormenores acumulados num único período.

Deve-se, ao contrário, apresentá-los ao leitor pouco a pouco, verificando as partes focalizadas, associando-as ou interligando-as.

2. Na descrição de uma pessoa, por exemplo, podemos começar uma visão geral e depois, aproximando-se dela, passar aos pormenores: os olhos, o nariz, a boca, o sorriso, o que esse sorriso revela (inquietação, ironia, desprezo, desespero...), etc.

3. Na descrição de objectos, é importante que, além da imagem visual (cores, formas…), sejam transmitidas ao leitor outras referências sensoriais, como as tácteis (o objecto é liso ou áspero?), as auditivas (o som emitido pelo objecto), as olfactivas.

4. A descrição de paisagens ou de ambientes também não deve limitar-se a uma visão geral. É preciso ressaltar os pormenores, o que não depende apenas da visão. Certamente, numa paisagem ou num ambiente haverá ruídos, sensações térmicas, cheiros, que deverão ser transmitidos ao leitor, evitando que a descrição se transforme numa fotografia fria e pouco expressiva. Também poderão integrar a cena pessoas, vultos, animais ou objectos, que lhe dão vida. É, portanto, fundamental destacar esses elementos.



Guião de verificação


Produzido o texto descritivo, poderás avaliar o percurso realizado em função dos pressupostos anteriormente expostos, podendo detectar, com a ajuda do guião de verificação, as áreas a que terá de prestar mais atenção, caso verifique alguma fragilidade na consecução das orientações dadas.



Guião de verificação na produção de um TEXTO DESCRITIVO


Antes de redigir o texto


• Defini o tema-título

• Optei por uma perspectiva objectiva/subjectiva face à descrição

• Fiz um esquema/plano orientador da descrição, de modo a contemplar

a) a enumeração das partes constitutivas do tema-título

b) a indicação das características/propriedades dessas partes

c) a ordenação da observação

- do geral para o pormenor

- por sectores de lateralidade

- por sectores de verticalidade

• Propus formas de construir o tema-título, e respectivas partes, de acordo com estruturas de expansão descritiva



Ao redigi-lo


• Apoiei-me na ordenação do plano/esquema traçado

• Assumi a natureza da entidade descrita, optando

a) pela dimensão factual da entidades descrita (Presente)

b) pela dimensão ficcional dessa entidade (Pretérito Imperfeito)

• Fui coerente na perspectiva subjectiva/objectiva adoptada

• Utilizei marcas identificadoras do texto descritivo, nomeadamente:

a) estruturas nominais não repetitivas

b) estruturas adjectivais ou equivalentes

• Parti de uma impressão de conjunto

• Desenvolvi a descrição na lógica ordenada dos pormenores considerados

• Produzi o desenvolvimento

a) em função de uma perspectiva descritiva (estática/móvel)

b) ordenando segundo uma lógica vertical, horizontal, ou de planos

c) tendo em conta formas, cores, dimensões

d) explorando características sensoriais

e) utilizando recursos estilísticos adequados

• Fechei a descrição com uma conclusão



No final da produção escrita


• Verifiquei a disposição lógica e ordenada do texto

• Atentei na correcção linguística a nível

a) da ortografia

b) da pontuação

c) da acentuação

d) da sintaxe

e) da selecção vocabular



value="http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=4850155&access_key=key-8pf8t8mmxpjtxeq7zpt&page=1&version=1&viewMode=list">


A Mena na cozinha

Maçã assada com mel e canela

maçãs (reineta, golden...)
mel
sumo de limão
canela em pó

Descasque e lamine as maçãs. Coloque-as num pirex às camadas, salpicando cada camada com sumo de limão, canela e um fio de mel.

Leve 5 minutos ao microondas. Retire, mexa e leve mais 5 minutos ao microondas.

Coma assim ou recheie crepes, enfeitando com canela e mel.
Delicie-se!

Aqui fica, então, a minha resposta ao desafio da Mary!


Trabalhinho:

T-shirt


Miminho

A Sónia deixou-me este selinho! Obrigada, amiga!
Aqui fica para quem o quiser levar.



13 comentários:

Anamir disse...

Olá Mena,

Adoro maçã assada com mel e canela, adoro crepes e Luís Sepúlveda e este livro em particular que é uma excelente lição de vida e um hino à diferença...adoro o teu blog, apesar de cá não vir tanto como gostaria...

Bjs.
Bom fim de semana.
Anamir

Mary disse...

Pois uns crepes deliciosos, bem recheados com subtileza da maçã com mel são irresistíveis...
Uma excelente ideia, muito simples e muitos bege! hehehe:)
Bom FDS, amiga!:)

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Dois excelentes vídeos!
Dois "gritos de alerta".

Ah...aproveitei e ceei. Não resisti!

Bjs.

Abelha Maia disse...

Uma delicia os teus crepes para o dia beige, parabens.
bjsss

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Mena,

E esse "clique" é tão importante numa vida onde entregamos nossa vida pra se sentir amada, né?Ah menina linda, você é muito bem amada...

Beijo bem grandão.

Rebeca

-

Sushibaby disse...

Uma excelente sugestão.
Beijinhos e feliz dia da cor.

Brunette disse...

Olá Mena!
Mais uma receita rápida, fácil e deliciosa! Esta tenho mesmo de experimentar...
Adorei a t-shirt e os vídeos.
Bjos e boa semana

P.S. Já lancei um novo desafio.

Gina disse...

Que coisa boa, simples, rápida e gostosa.
Bjs.

STA disse...

Maçã, mel e canela são uma combinação imbatível...
Esses crepes ficaram sensacionais.
Bjs

Sonia Facion disse...

Oi Mena!!!!

Na época estudantil, hehehe... que se vai ao longe.... eu gostava muito da descrição, eu viajava até!!!!

Boa semana amiga.

Sonia

R.correia disse...

devem estar deliciosos, parabens

anamarin disse...

Hola soy Esther,
mi mama os invita a conocerme.
www.ana-marin.blogspot.com

RUTE disse...

Mena esta sugestão de puré de maçã reineta no micro-ondas é muito fixe. Tão rápida! Genial. Excelente participação no desafio do dia da cor.