sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

O Modo Narrativo


O modo Narrativo

A Narrativa, na sua origem, estava associada à poesia. No entanto, não se deve confundir aqui poesia e lírica: a lírica representa o mundo interior do eu, enquanto a narrativa apresenta o mundo exterior e objectivo do ele ou de eles. A poesia é apenas a forma a que a lírica dá preferência, recorrendo a vários elementos que constituem as regras da versificação, mas tanto a narrativa como o drama se podem apropriar dela.

Os poetas itinerantes ou pertencentes à corte narravam longas aventuras de deuses, heróis e reis, acompanhadas de música. Estas histórias eram contadas em verso, constituindo uma forma de poesia narrativa, não uma poesia lírica. Só mais tarde, com o aparecimento da escrita, é que as narrativas se distanciaram da forma em verso e passaram a ser escritas em prosa.

Há dois tipos de narrativa: a narrativa de ficção e a narrativa de factos. Neste capítulo, vou falar-vos da narrativa de ficção, já que a narrativa de factos engloba principalmente os textos não literários (notícias, reportagens, actas…).

Independentemente de pertencer à categoria da ficção ou dos factos, todos os textos que se enquadram no modo narrativo se caracterizam pela existência de uma ou mais acções, factuais ou ficcionais, apresentadas por um narrador e protagonizadas por uma ou mais personagens, que podem ser localizadas num determinado espaço e tempo. Eis então os cinco elementos da narrativa:



Acção

Dá-se o nome de acção ao conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados, mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história. Normalmente, deparamo-nos com uma acção central e uma ou várias secundárias.


Acção principal: constituída pelo ou pelos acontecimentos principais.

Acção secundária: constituída pelo ou pelos acontecimentos menos importantes que valorizam a acção central. Auxilia o desenrolar da acção central, permitindo compreender a situação social, cultural, ideológica, entre outras.

Numa narrativa, as várias acções relacionam-se entre si de diferentes maneiras:


- por encadeamento: quando as acções sucedem por ordem temporal e em que o final de uma acção se encadeia com o início da seguinte.


- por alternância: quando as acções se desenrolam separada e alternadamente, podendo fundir-se em determinado ponto da história. Geralmente, as telenovelas apresentam esta estrutura.

- por encaixe, isto é, quando se introduz uma acção noutra.

Estrutura (momentos) da acção

Introdução (situação inicial) – apresenta as personagens, situa a acção no tempo e no espaço…

Desenvolvimento – sucessão das peripécias ou dos acontecimentos mais marcantes.

Conclusão ou desenlace – desfecho ou simplesmente a sequência final.

Delimitação da acção

O fim de uma acção também oferece alternativas:

Acção Fechada - a acção é resolvida até ao pormenor, pelo que o leitor fica a conhecer tudo o que aconteceu às personagens.

Acção Aberta - a acção não apresenta soluções definitivas, pelo que o leitor fica sem saber o que vai acontecer às personagens

Normalmente, algumas acções secundárias, de pouca importância, permanecem abertas, enquanto a acção central e as acções secundárias com algum relevo são fechadas. No entanto, há também muitos romances onde a acção central permanece aberta.


Narrador


O narrador é uma entidade imaginária criada pelo autor, que tem como função contar a história. Não deve, por isso, ser confundido com o autor, que é o responsável pela criação da história.

Uma narrativa é uma história que é narrada. A voz que narra recebe o nome de narrador, aquele a quem a história é narrada é o narratário. O narrador, mencionado frequentemente como o sujeito de enunciação, é um ser ficcional que existe somente na narrativa e não deve ser confundido com o autor, mesmo quando as duas posições se aproximam. O termo narratário, pelo contrário, pode referir-se ou não a seres ficcionais.

Presença do narrador


Quanto à presença, o narrador pode ser não participante ou participante.


Narrador não participante ou narrador ausente: conta uma história na qual não participa – narrador heterodiegético (fala sempre dos outros, nunca de nós) – narra a acção na terceira pessoa.


Narrador participante – conta uma história em que participa como personagem principal – narrador autodiegético (o eu é automaticamente a figura principal) – ou uma história em que participa como personagem secundária – narrador homodiegético (o eu fala do homem que é a figura principal) - narra a acção na 1.ª pessoa.


Ciência do Narrador


Para além da presença, pode-se avaliar os conhecimentos que o narrador possui sobre o que está a ser narrado.


Omnisciente

- Este tipo de narrador "tudo" (omni) "conhece" (sciente), ou seja, é como um deus que tem acesso ao interior das personagens, assim como aos eventos passados e futuros.

- Analisa as acções, os comportamentos, os sentimentos e os pensamentos das personagens.

- As personagens podem ser apresentas de fora para dentro ou de dentro para fora.


Observador

- Este tipo de narrador apenas sabe o que vê (observa), tendo que interpretar as palavras, os silêncios, as atitudes e os gestos das personagens para as conhecer.

- As personagens só podem ser apresentadas de fora para dentro, à medida que o narrador as vai conhecendo.

- Não tem acesso a eventos futuros nem a todos os eventos passados.


O narrador observador pode apresentar dois tipos de visão ou focalização:


focalização externa

- o conhecimento do narrador limita-se ao que é observável do exterior.

- apresenta os aspectos exteriores das personagens e dos eventos.

- o narrador apenas conhece o que ouve e vê superficialmente.


focalização interna

- o narrador adopta o ponto de vista de uma ou mais personagens.

- a visão do narrador é de alguém inserido na narrativa.


Posição do narrador


Quanto à posição, relativamente ao que conta, o narrador pode ser objectivo ou subjectivo.


Narrador objectivo – relata os acontecimentos de forma imparcial e distanciada, narrando os factos com objectividade.


Narrador subjectivo – quando se aproxima das situações que está a contar para dar a sua opinião, julgando, aconselhando, elogiando ou censurando, emitindo juízos de valor. Narra os acontecimentos com parcialidade, tornando a narração subjectiva.


3. Espaço


Embora se diga que o conto popular ocorre "fora do tempo e do espaço", a verdade é que todas as acções precisam forçosamente de ocorrer em algum lado - o espaço.

O espaço de uma narrativa refere-se não só ao lugar físico onde decorre a acção, mas também ao ambiente social e cultural onde se inserem as personagens.

Espaço físico - é o espaço real, que serve de cenário à acção, onde as personagens se movem. Lugar ou lugares onde decorre a acção. Pode definir-se como um espaço aberto/fechado, interior/exterior, público/privado.


Espaço social e cultural - é constituído pelo ambiente social, representado, por excelência, pelas personagens figurantes. Meio, situação económica, cultural ou social das personagens. Podem ser definidos grupos sociais, conjuntos de valores e crenças desses grupos, posição que ocupam na sociedade, referência às tradições e costumes culturais de um povo.


Espaço psicológico - espaço interior da personagem, abarcando as suas vivências, os seus pensamentos e sentimentos.

4. Tempo

O tempo é uma das categorias da narrativa com mais relevo. Estabelece a duração da acção e marca a sucessão cronológica dos acontecimentos.

Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados, ou seja, a ordem real dos acontecimentos.


Tempo do discurso - resulta do tratamento ou elaboração do tempo da história pelo narrador, ou seja, é a ordem textual dos acontecimentos. O tempo do discurso nem sempre respeita o tempo da história, ou seja, os acontecimentos nem sempre são relatados pela ordem de sucessão. Este pode escolher narrar os acontecimentos:



  • por ordem linear ;
  • com alteração da ordem temporal, recorrendo à analepse (narrando acontecimentos passados) ou à prolepse (antecipação de acontecimentos futuros);

  • ao ritmo dos acontecimentos, como, por exemplo, na cena dialogada;

  • a um ritmo diferente, recorrendo ao resumo ou sumário (condensação dos acontecimentos), à elipse (omissão de acontecimentos) e à pausa (interrupção da história para dar lugar a descrições ou divagações).

Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico em que a acção se desenrola. Geralmente, identifica-se através de datas, da nomeação de personalidades e eventos conhecidos, da apresentação de costumes e tradições atribuídas a dado período, etc.

Tempo psicológico - é um tempo subjectivo, vivido ou sentido pela personagem, que flui em consonância com o seu estado de espírito. De um modo simplista, pode relacionar-se com a sensação que já todos experimentámos do tempo 'andar mais depressa', quando estamos a meio de algo agradável, ou 'nunca mais passar', quando estamos a fazer algo que não gostamos.

5. Personagens

Uma personagem é um agente da acção e é sempre uma figura fictícia e, tal como a figura do narrador não deve ser confundida com o autor, também as personagens não devem ser confundidas com pessoas, mesmo que sejam baseadas em, ou representem, pessoas reais.


Relevo

O modo mais comum de distinguir personagens é de acordo com o seu relevo, que é o mesmo que dizer, o papel que desempenham na economia da narrativa.


Personagens Principais ou Protagonistas

As personagens à volta das quais decorre a acção central.

Geralmente, são as personagens mais importantes e que mais se destacam.

Podem ser:


individuais ou singulares - quando representam um indivíduo.

colectivas - quando representam um grupo (social, profissional, etc.)


Personagens Secundárias

Personagens que participam na acção, mas não desempenham um papel decisivo. São menos importantes que os protagonistas mas relacionam-se com eles.

Podem ser:


individuais ou singulares - quando representam um indivíduo.


colectivas - quando representam um grupo (social, profissional, etc.)


Figurantes

Personagens com uma função principalmente decorativa.

Podem ser:


individuais ou singulares - quando representam um indíduo.


colectivas - quando representam um grupo (social, profissional, etc.)

Uma outra forma de analisar as personagens de uma narrativa é ao nível da sua composição e formulação, ou seja ao nível da sua concepção.


Composição


Personagens Modeladas ou Personagens Redondas ou Caracteres

Personagens dinâmicas porque são capazes de alterar o seu comportamento.

Personagens com densidade psicológica, ou seja, evoluem psicologicamente ao longo da acção.

Apresentam uma grande vida interior, sendo capazes de surpreender o leitor pelas suas atitudes e comportamentos diversificados.


Personagens Planas

Personagens estáticas porque não alteram o seu comportamento.

Personagens sem densidade psicológica, ou seja, não evoluem psicologicamente ao longo da acção.

São personagens definidas de um modo linear por um ou vários traços que as acompanham ao longo de toda a obra.

Normalmente, são caracterizadas aquando da sua introdução na narrativa e não sofrem, posteriormente, qualquer evolução.


Personagens-tipo

São personagens definidas de um modo linear por um ou vários traços que as acompanham ao longo de toda a obra.

Representam, frequentemente, um grupo profissional ou social.



Caracterização


Resta-nos agora falar de como se podem caracterizar as personagens de uma história. Primeiro há que diferenciar entre os dois tipos de retrato que se pode fazer de uma personagem:

Retrato Físico - Caracterização do exterior da personagem.

Retrato Psicológico - Caracterização da personalidade da personagem, através dos seus comportamentos, atitudes e pensamentos.


Processos de caracterização

Existem duas formas distintas de caracterizar as personagens, mas que se podem utilizar em conjunto para maior variedade:

Caracterização Directa - caracterização feita pelo narrador, pela própria personagem ou pelas outras personagens da história.

Caracterização Indirecta - o narrador põe a personagem em acção, cabendo ao leitor, através do seu comportamento e/ou da sua fala, traçar o seu retrato.

Caracterização Mista - Coexistência de momentos de caracterização directa (feita pelo narrador e pelas personagens) e de caracterização indirecta (sugerida pelas atitudes e comportamentos da personagem).



A Mena na cozinha

Bifes enrolados

4 bifes de peru ou de porco
1 beringela
1 curgete
3 tomates
4 dentes de alho
1 colher de sobremesa de colorau, sal, pimenta, alho de moinho, tomilho
azeite
50 g de azeitonas pretas
50 g de azeitonas verdes
80 g de miolo de broa
200 g de cuscuz
2,5 dl de água
1 casca de limão
1 pé de hortelã
sal

Barre os bifes de ambos os lados com colorau, azeite (2 colheres), sal, pimenta e um pouco de tomilho.

Entretanto pique as azeitonas pretas e verdes, descaroçadas, com a broa.

Espalhe sobre a carne.

Enrole com papel de alumínio e

leve ao forno (pré-aquecido a 200º) por 15 minutos.

Corte a beringela em cubos pequenos, salpique com sal e deixe escorrer dentro de um passador.

Corte a curgete e o tomate em pedaços e espalhe sobre um tabuleiro. Passe a beringela por água e junte-a aos restantes legumes. Tempere tudo com sal, pimenta e alho moído na altura. Regue com o azeite (2 colheres). Mexa e leve ao forno cerca de 25 minutos, tapados com uma folha de alumínio.

Retire as folhas de alumínio dos bifes e coloque-os sobre os legumes, regue com um fio de azeite e leve ao forno mais 15 minutos.
Enquanto isso, prepare os cuscuz, deixando-os a hidratar em água fervida com sal, casca de limão e hortelã. Para que fiquem soltos, separe-os bem com um garfo.

Sirva os bifes com os legumes e acompanhe com os cuscuz.
Bom apetite!




Sêlo
(oferecido por esta menina!)

As regras são:
Escrever uma lista com oito coisas que sonhamos fazer antes de morrer.
Convidar oito parceiras de blogues amigos para responder também.
Comentar no blogue de quem vos convidou.
Comentar no blogue dos nossos(as)convidados(as) para que saibam da convocação.


As minhas respostas estão aqui!



Trabalhitos:


Lençol - o traço fui eu que fiz e a minha mãe bordou-o.

Estojo de maquilhagem

14 comentários:

mfc disse...

Gosto das tuas lições de Literatura.
E perco-me com as tuas delícias da cozinha!
Beijo grande.

artes_romao disse...

boa tarde,td bem?
os trabalhinhos eso um mimo,parabens...
adorei.
bom fim de semana, fika bem.
jinhos***

Lau disse...

Oi flor, obrigada pelo prêmio, fiquei mto feliz em ser lembrada =)
Esses bifes parecem msm uma delícia, hein?!
Bjinhus, bom domingo!

∂αиι тαναяєѕ =') disse...

Oi Mena!!

Bem, agora que ando no 10º ano, tenho de comprar uma gramática, mas com tudo o que aqui colocas, quase que é dispensável!! ='D

Adoro sempre tudo o que aqui colocas, nem sabes o quanto me ajudas!!

Adorei esses bifes! Engraçado, nunca comi cuscus assim, como se fossem arroz... A mim, cuscus é sempre na canja!! :)

Obrigada pelo selinho!! Já o tenho no meu blog, mas vou lá colocar uma informaçãozinha adicional, referente a esta tua oferta!!

Beijinho!!

=')

Siry disse...

Olá amiga

As receitas da cocinha son esquissitas, gosto moito.

Obrigada pe lo selinho, levo a o meu cantinho.

Feliz fin de semana

Beijinhos

Chocolate disse...

olá querida!
obrigada por te teres lembrado de mim e por me teres passado o premio! adorei o estojo de maquilhagem! beijinhos e bom domingo!

beatriz disse...

hola guapa!!!que bien otro premio..pero si te soy sincera no entendi muy bien las reglas,asi que ya me diras tu que tal lo hice ..jejeje....la receta de los rollo ,la probare hacer tiene muy buena pinta,mmmmmm,gracias besos

beatriz disse...

HOLAAAAA!!!!AHORA SOY YO LA QUE TIENE UN MIMO PARA TI EN MI BLOG DE PREMIOS,ESPERO QUE TE GUSTE...BESOS ,,,BUEN DOMINGO

Meus Netos...Minha Fortuna!!! disse...

Olá amiga Mena

Após uma ausência forçada, mas muito doce, voltei.

Gostei de ler os teus ensinamentos,admiro-te, sendo professora, com todos os trabalhos inerentes, ainda encontras tempo para nos "cultivares".

A receita, deve ser uma delícia. Vou experimentar.

Os trabalhinhos lindos...a tua mãe tem umas mãozinhas de fada, mas...o nécéssaire também está muito bonito, por isso parabens por tudo e neste caso também pla originalidade.

Agradeço, do fundo do coração, a tua visitinha assim como palavras deixadas. Muito Obrigada.

Um grande beijinho, com muita amizade

Cassilda

Sabrith disse...

Obrigada pelo premio.
Adorei o estojo de maquiagem, está lindo... e as suas receitas nos dão água na boca!
Boa Semana

Eunice Martins disse...

OI AMIGA QUANTOS TRABALHOS LINDOS, MUITO OBRIGADA PELO SELINHO,

UMA RECEITA DE CARINHO


Receita:

Um monte de Tranqüilidade
Algumas colheres de Esperança
Duas pitadas de Paciência
Carinho, muito Carinho!

Misture os ingredientes,
leve ao forno pre-aquecido até dourar!

Dica:
Se acontecer de queimar, não se apavore.
O bolo da vida só chamusca por fora,
por dentro não se estraga.
Então, se passar do ponto, remova a camada externa, queimada,
e cubra generosamente com Amizade.

Está pronto o bolo mais gostoso do Mundo!
DESEJO UMA SEMANA COM MUITA SAÚDE, AMOR,
PAZ E MUITAS AMIZADES.
BEIJOS COM CARINHO DESTA AMIGA QUE JAMAIS
A ESQUECERÁ.

Atelier da Casaleira disse...

olá, bom ano desde já!espero que esteja tudo bem.Vim ver as novidades e dar um beijinho

Yola Marujo disse...

Agradeço o selo
e mais uma receita que vou ter de experimentar, hum hum!!!

jokas

日月神教-向左使 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,
情色論壇