segunda-feira, 20 de julho de 2009

A minha estrela



“A Estrela” de Manuel Bandeira


0 poeta brasileiro Manuel Bandeira escreveu um poema que também se intitula “A Estrela”.

Manuel da Bandeira nasceu em 1886, no Recife, e morreu em 1968, no Rio de Janeiro, no Brasil. Foi poeta, crítico e estudioso da História da Literatura universal e brasileira.

O poema “A Estrela”, que vem a seguir, foi publicado no livro “Estrela da Vida Inteira”, publicado em 1966, quando o poeta tinha 80 anos.



A Estrela

Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
Na minha vida vazia.

Era uma estrela tão alta!
Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha
Luzindo no fim do dia.

Por que da sua distância
Para a minha companhia
Não baixava aquela estrela?
Por que tão alta luzia?

E ouvi-a na sombra funda
Responder que assim fazia
Para dar uma esperança
Mais triste ao fim do meu dia.


Manuel Bandeira


A estrela , na poesia de Bandeira, metaforiza o absoluto, o inatingível, a luz que orienta.

Em “A estrela”, notam-se as posições entre a vida vazia do sujeito poético e o brilho do astro inatingível, fantástico. Os contrastes aparecem no plano espacial e cromático ("Era uma estrela sozinha Luzindo no fim do dia", "E ouvi-a na sombra funda").


Nos últimos versos há ironia, pois a estrela reitera a sua distância insuperável, dando ao "eu" lírico uma esperança triste, uma vez que ele a contempla sem a menor possibilidade de se aproximar.


O poema divide-se em três partes:


1.ª parte - Descrição da estrela: alta, fria, sozinha, luzindo.

2.ª parte - Pergunta do sujeito poético: descontentamento do sujeito poético face à distância a que a estrela se encontra.


3.ª parte - Resposta da estrela: a estrela respondeu que não baixava “para dar uma esperança / mais triste ao fim do meu dia.”



Há um aspecto comum entre este poema e o conto de Vergílio Ferreira: tanto o Pedro, como o sujeito poético querem ter uma estrela. Mas há aspectos em que divergem.

Conto:
Desejo de alcançar a estrela
Estrela fácil de despregar do céu
Símbolo de sonho e de coragem

Poema:
Estrela alta e fria
Desejo que a estrela desça
Símbolo de esperança triste


Todos temos a nossa estrela! Há quem diga que todos temos uma estrela grande e brilhante lá no Alto, no firmamento,
que nos conduz e ilumina!

Os meus alunos, ainda a propósito do estudo do conto "A Estrela", analisaram este poema e escreveram poemas. Aqui ficam alguns!


A Estrela

No fundo do meu coração há uma estrela,

Uma estrela bem brilhante, gira e querida,

Pode ser azul, vermelha ou laranja,

Ou quem sabe de todas as cores que existem!

Mas isso não interessa,

Pois a minha estrela, dá-me coragem

Para alcançar os meus sonhos e desejos.


Essa estrela é como um cofre,

Onde eu guardo tudo que desejo e ambiciono

Quando estou em baixo, ela dá-me forças para continuar.

E quando tiver conseguido tudo o que quero,

A minha estrela soltar-se-á e…

Voará para o céu

Onde brilhará para sempre.

José, 7.º A



A Minha estrela-guia



Um dia à noite abri a janela,

Senti uma brisa fria,

A brisa vinha duma estrela,

Que me sorria.


Não havia nuvens no céu,

A lua olhava para mim,

Naquele momento tudo era meu,

Num universo sem fim.


Os astros brilhavam no firmamento,

A Ursa Maior lá estava,

O que me dava grande alento,

Era algo que nunca imaginava.


De repente veio o João Pestana,

Só me apetecia lá estar,

Mas tinha de ir para a cama,

Porque amanhã, cedo teria que me levantar.


No leito, entre os meus lençóis,

O que eu haveria de sonhar,

Com os meus heróis,

Eu iria viajar.


Entretanto ganhei asas,

E voei pelos céus,

Saltitando pelas casas,

A minha estrelinha disse-me adeus.

Hugo Sousa, 7.º A



A Mena na cozinha


Pavê de ameixas com gelatina

400 g de ameixas descascadas e sem caroço
1 dl de água
300 g de açúcar
1 pau de canela
5 dl de leite
1 colher de café de essência de baunilha
2 gemas
2 colheres de sopa de farinha maisena
200 g de miolo de noz picado
1 pacote de bolacha Maria
1 gelatina sabor a gosto (eu escolhi de morango)
4 dl de água

Num tacho, leve a lume brando as ameixas, a água, com 200 g de açúcar e o pau de canela.

Deixe ferver até ficar em compota. Reserve e deixe arrefecer.

Prepare a gelatina com 4 dl de água a ferver, deite numa taça e ponha no frigorífico a solidificar.

Noutro tacho, amorne o leite com a essência de baunilha e o restante açúcar. Bata as gemas e reserve, desfaça a maisena num pouco de leite e depois adicione-o ao resto do leite com a baunilha e mexa. Adicione lentamente a este preparado as gemas, mexendo sempre, mantendo em lume brando até engrossar.

Numa taça, faça camadas alternadas com bolachas, compota de ameixas,

o creme do leite e as

nozes. Repita até acabar os ingredientes. A última camada deve ser de bolachas.

Por fim, corte a gelatina em cubos com uma faca e coloque por cima da última camada de bolachas. Leve ao frigorífico, sirva frio.
Delicie-se!


Trabalhinho:


Gargantilha


Miminho

A Rebeca e o Jota Cê enviaram-me este selinho! Aqui fica para quem o quiser levar!

16 comentários:

artes_romao disse...

boa tarde,td bem?
belas novidades...
adorei a gargantilha, parabens.
e com o azul, k tanto gosto...hehe
fika bem,jinhos***

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Mena,


E que a nossa estrela da amizade brilhe e irradie alegria. Você tem um astral tão pra cima, tão cheio de luz, que fica difícil não brilhar junto contigo.

Beijo imenso, menina linda.

Feliz dia do amigo!

Rebeca

-

Edilene Pacheco disse...

Olá Mena,

Você pode vir, teremos o maior prazer em recebê-la.!!

Peguei o selinho da amizade, está lindo, obrigada.

Feliz dia do Amigo!

Absss

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Mais um post instrutivo.
Parabéns.

Adorei os poemas dos teus alunos.

Aproveitei e lanchei. Estava uma delícia...fresquinha!

Bjs.

Lisa

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Mais um post instrutivo.
Parabéns.

Adorei os poemas dos teus alunos.

Aproveitei e lanchei. Estava uma delícia...fresquinha!

Bjs.

Lisa

Ana Sofia disse...

Olá querida, td bem?
Cada vez que passo por aki dá vontade de ir a correr para a cozinha fazer estas coisas boas =) ai ai, =D
Os poemas estão lindos, para variar, e a gargantilha tb =)
Beijinho e o selinho vai cmg sim =)

Habiba disse...

ola mena... o teu colar esta fantastico!
parabens...

Beijinhos e boa semana

Ângela

Maria Cusca disse...

Olá amiga.
Os poemas estão lindos.
Tens uns alunos fantásticos.
Claro que sempre que há uma professora fantástica o resultado é este.
E todos temos a nossa estrela.
O pavê, está com um aspecto delicioso.
E o colar está lindo.
Levo o selinho comigo.
Jinhos grandes e uma óptima semana

olharapus disse...

ai que pavê delícioso mena! hiiiii
o colar está um espectáculo! simplesmente adorei!
beijinhos grandes

arteseriscos disse...

Olá

Vim agradecer por sua visita e pelo seu comentário..
A gargantilha ficou belissima, parabéns..

www.arteseriscos.com

Noah disse...

Olá Mena,
Eu adooooooooro Aquarela.
Jinho

Carlinha disse...

Olá Mena,

Vou levar o selinho comigo, obrigado.

Muitos parabéns pela gargantilha, além de ter ficado lindíssima, tem uma cor fantástica, que eu adoro.

Beijinho grande,
Carla Silva

P.S.: Todos os selinhos que tenho no blog, são igualmente seus, traga aqueles que quiser.

Susi R disse...

Querida Mena,
É um gosto aqui vir.
A gargantilha está esplêndida, o pavê tentador e que bem que a "estrela" aqui está representada.
Um beijinho
Susana

Chocolate disse...

ola!
adorei a gargantilha! beijinhos

Abelha Maia disse...

Olá, vim saber como estavas, por aqui tudo 5 estrelas como sempre.
beijocassss

Brunette disse...

Olá Mena!
Adorei o colar, está mesmo a condizer com as noites de Verão!
Fiquei com vontade de experimentar esta receita. Mas, em vez das ameixas, há outro fruto que também aconselhes?
Bjos