quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Corações e coraçõezinhos

Imaginem o que vou fazer com tantos corações!
Posso adiantar-vos que estes corações fazem parte dos trabalhos realizados para assinalar o dia dos namorados na Biblioteca da minha escola... e... mais não digo...
Vou deixar-vos um desafio: um presente para quem adivinhar, topam?

Programa Novas Oportunidades é “trafulhice”, diz Medina Carreira

Antigo ministro das Finanças critica o programa Novas Oportunidades. "Enquanto formos governados por mentirosos e incompetentes este país não tem solução", acusou.

Convidado da tertúlia "125 minutos com...", que decorreu no Casino da Figueira da Foz, ontem, terça-feira, Medina Carreira disse ainda que a educação em Portugal "é uma miséria" e que as escolas produzem "analfabetos".
"[O programa] Novas Oportunidades é uma trafulhice de A a Z, é uma aldrabice. Eles [os alunos] não sabem nada, nada", argumentou Medina Carreira.
Para o antigo titular da pasta das Finanças a iniciativa dos Ministérios da Educação e do Trabalho e da Solidariedade Social, que visa alargar até ao 12.º ano a formação de jovens e adultos, é "uma mentira" promovida pelo Governo.
"[Os alunos] fazem um papel, entregam ao professor e vão-se embora. E ao fim do ano, entregam-lhe um papel a dizer que têm o nono ano [de escolaridade]. Isto é tudo uma mentira, enquanto formos governados por mentirosos e incompetentes este país não tem solução", acusou.
As críticas de Medina Carreira estenderam-se aos estudantes que saem das escolas "e não sabem coisa nenhuma".
"O que é que vai fazer com esta cambada, de 14, 16, 20 anos que anda por aí à solta? Nada, nenhum patrão capaz vai querer esta tropa-fandanga", frisou.
Defendeu um regime educativo "exigente, onde se aprenda, porque os empresários querem gente que saiba".
Questionado pela jornalista Fátima Campos Ferreira, anfitriã da tertúlia, sobre a avaliação de professores, Medina Carreira classificou-a de "burrice".
"Se você não avalia os alunos, como vai avaliar os professores?", inquiriu.
Admitiu, no entanto, que os professores terão de ser avaliados, desde que exista "disciplina nas aulas, o professor tiver autoridade, programas feitos por gente inteligente e manuais capazes", argumentou, arrancando aplausos da assistência.




A declaração


Designa-se por declaração a exposição oficial de uma situação, de um facto, feita por escrito, apresentada a um órgão próprio e que constitui prova de compromisso. (ex.: Declaração de alteração de residência, Declaração de mudança de residência).

Numa declaração, o declarante declara ou jura que os dados que dela constam são correctos/verdadeiros, não havendo, na maior parte das vezes, necessidade de os comprovar através de quaisquer documentos oficiais.


Estrutura da declaração


- Invocação: indicação do cargo ou função da autoridade destinatária.


Ex.: Exmo. Senhor Presidente, Ex.mo Chefe de Serviços, Digníssimo Senhor Reitor.


- Introdução:

· informações essenciais: identificação do declarante (nome, estado civil, morada, profissão, nacionalidade, n.º BI, etc.)


- Texto Principal:

· expressões como “Declaro, sob compromisso de honra...”; “declaro por minha honra...”, etc.;


· exposição dos factos declarados verdadeiros e dos motivos da declaração.


- Fecho:

· localidade;

· data;

· assinatura do declarante.



A Mena na cozinha


Aletria de Natal

150 g de aletria

5 dl de leite

200 g de açúcar

50 g de manteiga

4 gemas

casca de limão

canela em pó

pau de canela


Coza a aletria em água temperada com sal, durante 5 minutos e escorra-a.
Leve o leite ao lume com a casca de limão e o pau de canela.


Bata as gemas com um pouco do leite. Junte o leite restante aos poucos à aletria, mantendo o lume brando e mexendo sempre. Acrescente a manteiga e o açúcar. Retire do lume e misture as gemas, mexendo bem. Leve de novo ao lume apenas para que as gemas cozam ligeiramente.

Sirva a aletria polvilhada com canela.

Delicie-se!



Trabalhinho:


Foi um presente de Natal para a minha filha oferecer a uma amiga: uma agenda e um porta-chaves num saquinho decorado para o efeito.



2 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Digamos que os corações são de comer, acertei? Passei longe eu sei. hahahaha

Mas não faltará corações para o dia dos namorados, pelo jeito.

até mais.

Jota Cê

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Acho que os corações poderão servir para porta- chaves,pregadeiras ou aplicações.

Quanto ao discurso de Medina Carreira já conhecia.
Concordo com a sua opinião sobre as Novas Oportunidades.

Aproveitei e provei a aletria.

Bjs e bom fim de semana.

Lisa