segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Imagine!

O Carnaval na escola foi tímido e passou quase despercebido!





Imagine!


Imagine que vai a uma repartição pública tratar de um documento, na sua hora de almoço, e encontra uma bicha enorme, porque há apenas um funcionário a atender. O outro, acabado de vir do almoço, não está ainda no seu local de trabalho, porque foi fumar um cigarrinho que cai sempre bem em cima da bica… Imagine que foi fazer análises e que, a caminho do estacionamento, decide entrar no café mesmo em frente da escola de um dos seus filhos, para comer alguma coisa, e encontra, muito bem sentadinho, a tomar um farto pequeno-almoço, o professor do seu educando que deveria estar na sala de aula… Imagine que tem de dar um recado a um colega, bate à porta, ninguém atende, bate de novo e nada… Abre a porta e espreita e vê alunos de pé, em cima das mesas, a comer, enfim… imagine! … E o professor, sentado ao computador, de auscultadores nas orelhas, a ver… imagine! … Emails! … Imagine que vai efectuar o pagamento de um qualquer serviço, à segunda-feira, e que as funcionárias se encontrem na conversa, a contar o seu belíssimo fim-de-semana e o ignorem por completo, ao ponto de ter de lhes chamar a atenção… e que lhe respondam um espere lá, não vê que estamos ocupadas…

Imagine que chega a casa, prega um valente raspanete ao seu filho, porque não lhe disse que não tinha tido aula e não lhe disse o que fez nos 90 minutos em que não teve aula… e ele que sim, que teve as aulas todas… E o caro leitor que não é verdade, que estás a mentir, que viu o professor no café, descansado a tomar o pequeno-almoço, que se calhar também foi fazer análises… E o seu filho, que teve aula sim senhor, que o professor é que desapareceu da sala, que ia buscar o livro de ponto, que nunca mais aparecia… E o querido leitor, perdendo já a paciência, mas que estás para aí a dizer? O professor não estava com os alunos na aula? Saiu? Estava no café? Não pode ser, não acredito! … E o seu filho que ele não estava na sala, que não sabia onde é que ele estava, que o caro leitor é que disse que o viu no café, que ele sai durante todas as aulas com as mais variadas desculpas: para falar com um professor, para ir buscar o livro de ponto… mas, todos sabemos que ele vai fumar e, pelos vistos, vai também tomar o pequeno-almoço... Imagine que este professor se queixa dos alunos, que não fazem nada, que só desenham, que são barulhentos, que são trinta, que já fez as contas e tem apenas três minutos para despender com cada um (mas muitos para ir fumar ou para fazer outras coisas longe da sala de aula onde deveria estar!), que tem uma taxa de insucesso elevadíssima, que vai passar apenas um terço dos alunos, mas que tem a consciência tranquila e que pode dormir descansado, porque não tem a culpa se os alunos não trabalham nem têm sucesso na sua disciplina…

Imagine que houve uma reunião com professores, representantes dos pais, representantes dos alunos e que todos, mas todos mesmo, sabendo como são as aulas do tal professor, se calaram, ninguém foi capaz de dizer nada… Imagine! … O medo instaurou-se de tal modo nas pessoas, que as deixa de pés e mãos atados. É medo de ser tomado de ponta, é medo porque a pessoa em questão é amicíssimo do director, é medo porque somos novos nestes meandros de corrupção e temos medo de falar, é medo porque a pessoa pertence ao partido do governo e ninguém lhe toca, é medo, é medo, é medo… O medo está tomando conta das pessoas e eu tenho medo, que mais tarde ou mais cedo, o povo, cansado de tanta injustiça, tanta corrupção, tanta falta de profissionalismo, tanta incompetência, tome medidas drásticas… que mais uma vez recairão sobre os mais fracos e indefesos, porque os nossos maus governantes e os seus comparsas escaparão, como sempre, ilesos…



Introdução à lírica camoniana


A época de Camões


Camões, poeta da século XVI, foi indubitavelmente marcado pelo Renascimento. Por isso, importa conhecer a época em que viveu, uma época de descobertas do mundo novo, mas também do mundo antigo e do próprio homem.

Este século, caracterizado por uma grande viragem no pensamento humano, é marcado por três grandes movimentos culturais: o Humanismo, o Renascimento e o Classicismo.


A Mena na cozinha

Pudim de maçã

1 colher de sopa de farinha maizena

6 ovos

250g de açúcar

5 dl de leite

1 kg de maçãs reinetas

casca de limão

pau de canela

canela em pó

geleia (facultativo)


Ponha o leite ao lume com uma casquinha de limão e um pau de canela. Deixe fervilhar um pouco. Entretanto, descasque as maçãs, limpe-as do caroço, corte-as em fatias e disponha-as num pirex, untado com margarina, às camadas. Cada camada deve ser polvilhada com canela.

Misture a farinha com o açúcar e misture-lhe os ovos. Acrescente o leite com cuidado e vá mexendo sempre.

Quando estiver bem misturado, passe esta mistura por um passador e deite por cima das maçãs. Leve a cozer em forno moderado.

Retire, deixe arrefecer e sirva frio. Se gostar, pode pincelar o pudim ao de leve com geleia.

Delicie-se!


Trabalhinhos:


Mala, carteira e agenda

5 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Mena

O medo, a incerteza, a insegurança instalou-se em todos!

Adorei as fotos.

Passei mesmo a horas do lanche.
Deliciei-me.

Bjs.

Ana Sofia disse...

Olá td bem?
Passa no meu cantinho e inscreve-te na minha trokinha da Páscoa =)
Beijinho e bom Carnaval

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

É tão bom quando podemos curtir o carnaval com tranquilidade. Seja na folia ou em casa, temos que sentir que a batucada, mesmo, é na nossa vida e o samba enredo sempre é aquele do coração. Então vou com um sambinha gostoso do Chico, espero que gostem:

http://www.youtube.com/watch?v=YU547fUsHqI

Beijo imenso, menina linda.

Rebeca

-

M. Céu Fernandes disse...

Olá querida.
Parece que foi divertido!
Passei para agradecer a visitinha e desejar a continuação de uma excelente semana!
Bjs,
M. Céu

Atelier da Casaleira disse...

Hum..um apetitoso lanche.é bom partilhar!gostei de apreciar.os doces devem ter ficado optimos.um beijinho e bom fim de semana

nota:tb gostei muito das agendas.