domingo, 17 de janeiro de 2010

Brincar com a música

A I, a nossa maestrina, foi "Brincar com a música" com os meninos do Jardim de Infância. Foi mais uma actividade dinamizada pela nossa Biblioteca. As crianças gostaram da iniciativa e pediram que voltássemos.
Aqui ficam algumas fotos desta actividade!


A brincadeira começou com o "Voo do Moscardo" de Nikolay Rimsky-Korsakov.

E depois foi a roda ao som da música escolhida e os gestos para ilustrar a letra da canção...


Brincaram com a música até caírem exaustos? Não. Estava na hora de ir....




Análise do conto “A LUAVEZINHA”


Tipos de discurso


Propriedades do Discurso Directo


Dissocia duas situações de enunciação (a citante e a citada);

É marcado, geralmente, pela presença de verbos relatores (dizer, afirmar, exclamar, etc.);

Na ausência de verbos relatores, é assinalado por recursos gráficos (dois pontos, travessão ou aspas);

Veicula muitas vezes marcas que contribuem para a caracterização do enunciador (classe social a que pertence, origem geográfica, etc.);

Funciona como uma citação, veiculando os valores de autenticidade, seriedade e objectividade.


Propriedades do Discurso indirecto


Apresenta uma só situação de enunciação: o discurso citado aparece subordinado à enunciação do relator;

Implica uma série de conversões a nível dos tempos verbais, das locuções adverbiais de tempo e de lugar e da categoria linguística de pessoa;

É introduzido por um verbo relator;

Funciona como um resumo e implica interpretação do enunciado relatado;

Salienta o conteúdo (as ideias) da enunciação relatada e não a forma exacta como foi enunciado.


Propriedades do Discurso indirecto Livre


Discurso híbrido, situa-se entre o discurso directo e o discurso indirecto;

Permite representar os pensamentos do enunciador citado, tal como acontece com o discurso directo;

Permite ao relator manter o seu estatuto de mediador, tal como acontece com o discurso indirecto;

Funde as vozes do enunciador citante e do enunciador citado numa só.

Quando o narrador incorpora no seu discurso palavras das personagens (marca característica do discurso directo), mas não recorre a verbos declarativos nem a orações subordinadas completivas (marca característica do discurso indirecto), estamos perante o discurso indirecto livre. Neste tipo de discurso, há uma convergência entre narrador e personagem, parecendo que a narrativa é apresentada por ambos.


Exemplos:


"Mas o passarinho devaneava, insistonto: vou subir lá, mais acima que os firmamentos."

"Seus colegas de galho se riram: aquilo não passava de menineira."


(continua)


Este anúncio publicitário (trabalho para o mestrado) foi feito pelo Joel, um colega do meu filho. O actor principal é o meu filhote! Vale a pena ver! São jovens com um futuro promissor!


Formação de palavras


Neologismo


Termo utilizado para classificar uma palavra nova que surge numa língua devido à necessidade de designar novas realidades - novos conhecimentos técnicos, objectos gerados pelo progresso científico (neologismos técnicos e científicos) e até por questões estilísticas e literárias, tornando a língua mais expressiva e rica (neologismos literários), por exemplo, Mia Couto de quem vos tenho vindo a falar.

O que sucede quando precisamos de atribuir um novo nome para designar uma ideia ou objecto novos é escolher uma destas opções: formar uma palavra nova a partir de elementos que já existam; adoptar um termo de uma outra língua; alterar o significado de uma palavra já antiga. Daí que os neologismos criados possam possuir diferentes processos de formação: por derivação (ficcionismo, metaficção), por composição (astronauta, homeopatia), por imitação de outras palavras já existentes na língua (eurocrata), por transferência de vocábulos pertencentes a outras línguas (clicar, inputar, scannear), ou palavras completamente novas que são criadas.

Os neologismos podem pertencer ao léxico - vocábulos totalmente novos na forma e no conteúdo, ou à semântica - palavras já existentes, mas que adquiriram um novo significado com a evolução dos tempos («focar» que etimologicamente significa fazer convergir raios emitidos por uma fonte de calor, quando reflectidos em espelho curvo ou refractados através de lente, foi com o passar dos tempos adquirindo o significado de abordar, referir, tratar, salientar, pôr em evidência). Outro processo de construção de neologismos é o que diz respeito aos acrónimos, que são vocábulos formados pelas iniciais de um conjunto de palavras que designam uma entidade, organismo, por exemplo: SIC- Sociedade Independente de Comunicação; NATO- North Atlantic Treaty Organization.

Uma outra forma de neologismos é aquela que corresponde à adopção de palavras de origem estrangeira, por comodidade, e por se considerar que é a palavra exacta para designar aquela realidade, por exemplo: abat-jour, download, site. São os estrangeirismos - uns mantêm a grafia original, outros adquiriram imagem, forma portuguesa: jóquei, clube, futebol. A partir destes, podem construir-se outros neologismos, como por exemplo: hamburgueria (hamburguer), pizzaria (pizza), que funcionam ao mesmo nível de padaria (pão) e sapataria (sapato), etc.

Os neologismos constituem processos fundamentais de renovação do léxico, a par dos arcaísmos que marcaram a sua presença de forma oposta (desaparecimento de palavras da língua que deixam de ser usadas pelos seus falantes).


Amálgama ou palavras entrecruzadas


O conceito de amálgama define-se como um «processo morfológico que permite formar novas unidades lexicais a partir da fusão de duas ou mais unidades lexicais truncadas», quer como a unidade lexical resultante desse processo. Este tipo de unidade lexical é constituído «com partes de palavras, que se juntam, formando uma palavra gráfica», exemplos: credifone («crédito para o telefone»); telemóvel («telefone móvel»); informática (informação automática); (setor/setora (amálgama de «senhor/a doutor/a» não aceite pela norma).




A Mena na cozinha

Macarronada de peru

peru
azeite
1 cebola
2 dentes de alho
3 tomates maduros
sal
pimenta
vinho branco
água
1 caldo de galinha
massa (macarrão ou outra massa grossa)

Faça um refogado com a cebola, os alhos e o azeite. Quando a cebola estiver lourinha, junte os tomates cortados aos pedaços. Deixe cozinhar até os tomates se desfazerem. Adicione a carne de peru cortada em bocados não muito grandes. Deixe alourar um pouco a carne. Tempere com sal e pimenta e deite o vinho por cima da carne. Quando a carne estiver quase cozida, junte a água a ferver e o caldo de galinha. Adicione a massa e deixe cozinhar.

Sirva com uma boa salada mista.
Bom apetite.


Trabalhinho:
colar



4 comentários:

ஜ♥_Sabrith_♥ஜ disse...

Adorei tudo... em especial o trabalhinho, que está fantastico!
Bjokas

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Adorei a "aulinha" de música. Deve ter sido um encanto.

O vídeo de publicidade está espectacular. Dá-lhes os meus parabéns.

Como são quase horas de jantar, faço-me de convidada.

Bjs.

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

Colocar a molecada pra interagir é divertido.

até mais.

Jota Cê

artes_romao disse...

boa noite,td bem?
mais uma vez estão de parabéns por essa iniciativa.
gostei das restantes novidades.
parabéns tb aos jovens por essa criação para o Mestrado.
fica bem,jinhos***