segunda-feira, 16 de maio de 2011

Não ganhei para o susto


Já passava das 10.30. O telemóvel tocou. Levantei-me e disse, é o Luisinho que já chegou a casa. Fui em busca do telefone e pensei: desta vez não enviou uma mensagem! Tremi. Pressenti que algo não estava certo...
- Mãe, tive um acidente. Nós estamos bem. A Verónica tem uma nódoa negra numa perna, mas eu não sofri nada.
Ele falava tão depressa que não me dava tempo para fazer perguntas.
- Estávamos parados num sinal vermelho e quando retomámos a marcha, ao sinal verde, ouvimos um estrondo enorme, não tive tempo de fazer nada, ia devagar. O condutor que nos bateu surgiu pela esquerda, passou o sinal vermelho a toda a velocidade e veio contra nós em contra-mão. Está completamente embriagado, não quer que chamemos a polícia, quer fugir, diz que vai preso se a polícia o apanhar com tanto álcool no sangue, que fica sem carta... Mas, mãe, não te preocupes, já chamámos a polícia, temos testemunhas... O meu problema é não saber como actuar, nunca tive nenhum acidente... Ah! Mãe, nós felizmente estamos bem, mas o carro, mãe, acho que não tem ponta por onde se lhe pegue...
Finalmente, consegui falar e balbuciei um quero lá saber do carro, quero é saber de vocês, carros há muitos, se pudermos compramos outro, se não pudermos andamos de transportes públicos... Mas um filho não se pode substituir por outro, as pessoas são insubstituíveis, a vida de um filho é uma perda irreparável...
Apressadamente informou-nos que a polícia já ali estava e seguimos, ao longe, angustiados, por telefone, o desenrolar dos acontecimentos.
Por fim, tudo ficou resolvido: papéis do seguro preenchidos, reboque, táxi... O condutor foi passar a noite na esquadra a ver a lua aos quadradinhos....
Chegaram a casa, mais uma telefonadela: vão descansar, que amanhã têm de se levantar cedo...
- Mãe, vou enviar-te as fotos do carro por email.
E ali estava o Puntinho todo retorcido do lado do condutor, uma roda completamente de banda, o pneu rebentado, os airbags inchados... Há quinze dias, tinha levado uma revisão a fundo, quatro pneus novos...

Mas... O importante é não terem sofrido nada! Isso sim e dou mil graças a Deus!


Já agora, por favor, se conduzir não beba! Põe a sua vida em perigo, assim como a vida de tantos inocentes que não têm a culpa da sua má cabeça, da sua falta de responsabilidade...




4 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Imagino o "baque" que o teu coração sentiu!

O importante é que tudo está bem.

Bjs.

soli-arte disse...

Olá Mena.Ainda bem que foi mesmo só chapa batida. Sei como te sentiste e acho que apesar de ele dizer que tudo estava bem, só descansaste quando o viste não?Beijinhos.

RuiCorreia disse...

Qual carro, qual quê. É tudo boas notícias. Por vezes estas coisas devolvem-nos à terra e fazem-nos recordar aquilo que realmente tem e aquilo que não tem importância nenhuma. Fico feliz, por ti, Filomena. Foi só um susto. Carros há muitos, como bem dzes. Um beijinho amigo do Rui Correia

Mena disse...

Olá, amigos!
Enquanto for só chapa! Carros há muitos. Graças a Deus que o meu filho e a namorada não sofreram nada!

Bj e bom fim-de-semana!