sexta-feira, 11 de novembro de 2011

PRIVADA & FUNÇÃO PÚBLICA, QUAL ESCOLHERIAS?

Através da Natália Teixeira.

Meus amigos:

Trabalho no privado e ganho 475¤ na folha de ordenado e por "baixo da mesa" recebo da Empresa onde trabalho mais 1200¤ em papel-moeda.
Tenho direito a automóvel da Empresa de alta cilindrada e envelopes mensais recheados com 300 ¤ para gasóleo.
Tenho ainda direito a almoço completo no bar da Empresa com grande variedade e qualidade pagando apenas uma senha no montante de 1 ¤ por dia.
Quando vou à Caixa de Previdência, marcar uma consulta estou isento de taxa moderadora, porque na minha folha de ordenado apenas aparecem os 400¤.
Esta é a realidade de milhares de trabalhadores portugueses!

A minha esposa que tirou um curso superior, trabalha na função pública com horário oficial das 09 às 17h. Nunca consegue sair antes das 19:30 horas, sem ganhar um cêntimo que seja, dado que do quadro de 6 funcionários 3 foram aposentados e não foi colocado mais nenhum!
Ganha 800 ¤uros, já com subsídio de refeição incluído, desconta mensalmente 150¤ de I.R.S; 50¤ para a Caixa Geral de Aposentações, 25¤ para a ADSE, 10¤ para uma verba que se destina ao pagamento futuro do funeral (comum a todos os funcionários públicos), e outros descontos mais que não me lembro.
Feitos os descontos fica com 565¤ "limpos", dos quais ainda retira 58¤ mensais para o passe e gasta cerca de 5¤ diários para almoçar de pé ao balcão de um café. Trabalha num Edifício público degradado, a manusear pastas de documentos cheias de pó onde circulam baratas ratos e outras pragas, e com computadores e sistemas informáticos do século passado, sempre a encravar. Atende dezenas de cidadãos por dia portadores das mais diversas doenças infecto- contagiosas e tem a seu cargo assuntos de muita responsabilidade. Há dois anos que o Sócrates lhe congelou o ordenado e não preenche o quadro de pessoal, no entanto, os inspectores do serviço, aparecem a cada passo em cena, de forma prepotente a dizer que o trabalho devia estar mais em dia!
Quando a minha esposa vai à Caixa de Previdência marcar uma consulta paga taxa moderadora. Se for a um médico da ADSE de descontos obrigatórios, paga a totalidade da consulta, e largos meses depois, recebe uma pequena percentagem do que pagou. Todos os dias no serviço "ouve bocas" dos utentes contra a função pública, que imaginam ser um "mar de rosas".

E vocês, gostariam de ser funcionários públicos?
Eles é que são os parvos que pagam os impostos na totalidade e sustentam o país!
É claro que eu com o que ganho por fora, comprei um seguro de saúde a uma Companhia de Seguros, e vou aos médicos que quero!
Sou um "coitadinho" do privado que só ganho oficialmente 400¤, tinha direito a isenção de taxa moderadora, mas mesmo assim não estava para esperar 6 anos por uma consulta, que com a saúde não se brinca!
Quando a minha esposa chega a casa vem exausta de um trabalho, que se
fosse num privado, aparecia o IDICT e a ASAE e encerravam de imediato a porta por falta de condições!

Não sei quem escreveu este texto, mas aplaudo a sua coragem, por expor grandes verdades da nossa realidade...
Digo mais, quando disserem que a corja de Funcionários Públicos merece ter os salários congelados e ficar sem 13º mês...lembrem-se que os Funcionários Públicos que atacam, são:

  • Os polícias que vos protegem,
  • Os médicos e enfermeiros que vos tratam, bem como os auxiliares que vos assistem,
  • Os professores que ensinam os vossos filhos,
  • Os funcionários administrativos que tratam dos vossos papeis para os mais diversos fins.
  • Os trabalhadores que recolhem os lixos que produzem diariamente e etc, etc....
  • Os militarem que morreram por vós..

2 comentários:

soli-arte disse...

Pois é Mena. Esta realmente é a realidade dos funcionários públicos e a o que pensam acerca deles e pena é que a maioria das pessoas não a queiram ver esta face do funcionalismo público. Mas se até os nossos governantes acham o mesmo que o resto da população, de que estavas à espera? Beijos e tem um optimo fim de semana

Mena disse...

Infelizmente, é assim!