domingo, 1 de agosto de 2010

Deixem passar...

Foto de Rafael Moreira




Deixem passar quem vai na sua estrada.
Deixem passar
Quem vai cheio de noite e de luar.
Deixem passar e não lhe digam nada.

Deixem, que vai apenas
Beber água de Sonho a qualquer fonte;
Ou colher açucenas
A um jardim que ele lá sabe, ali defronte.

Vem da terra de todos, onde mora
E onde volta depois de amanhecer.
Deixem-no pois passar, agora

Que vai cheio de noite e solidão.
Que vai ser
Uma estrela no chão.


Miguel Torga

O sujeito poético faz um apelo aos leitores através do uso do imperativo para que o "Deixem passar...". O eu lírico procura algo, possivelmente um refúgio, pois experimenta sentimentos de angústia, solidão, ansiedade, esperança: "Quem vai cheio de noite e de luar", "Deixem-no passar agora/Que vai cheio de noite e solidão". E Este estado de alma só pode ser apaziguado através da "água de sonho" que beberá em "qualquer fonte" ou a "colher açucenas/A um jardim que ele lá sabe". Nos dois últimos versos, através da metáfora "Que vai ser/uma estrela no chão", o sujeito poético diz que, ao conseguir o que procura, transforma-se, nasce a luz e realiza-se.
O poema é constituído por duas quadras e dois tercetos, a métrica é irregular, o esquema rimático é ABBA CDCD EFE GFG, rima interpolada, emparelhada e cruzada





A Mena na cozinha

Ovos estrelados
(da Regina)


5 dl de leite
1 lata de leite condensado
1 lata de leite de coco
200 ml de natas
3 colheres de sopa de farinha maisena

1 lata de pêssego em calda



Misture o leite com o leite condensado e o leite de coco e adicione-lhes a farinha maisena. Leve a lume brando, mexendo até engrossar. Retire do lume, deixe arrefecer e acrescente as natas.

Coloque algumas colheradas do creme num prato e ajeite para que fique parecido com a clara do ovo frita. Sobre ela disponha uma metade de pêssego em calda, com a parte redondinha voltada para cima, imitando uma gema.
Espalhe no prato umas gotas de calda de pêssego para parecer o óleo da fritura.

Delície-se!





Trabalhinhos:




3 comentários:

Maria Luisa Adães disse...

Mena

Agradeço sua presença no meu blogs.

Lá deixei a resposta ao comentário
que agradeço.

Quanto ao poema que apresenta, muito belo, mas demasiado dissecado
para que o leitor o entenda.

Perdeu, assim, a Vida!

Esta é uma opinião pessoal de quem escreve poesia, mas não é, de forma
alguma, uma censura.

Com amizade,

Mª. Luísa

artes_romao disse...

boa tarde,td bem?
as novidades contiuam o máximo.
parabéns.
fica bem,jinhos***

requeri-assadeira disse...

eita!!! não é que vc é mais rápida que eu???
ainda não fiz as tuas receitas. seu ovo estrelado - aqui tb dizemos assim - ficou ajeitadinho. tenho certeza que o povo adorou. beijo.