quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Setembro, mês de amor




Os meus meses preferidos são Maio e Setembro. Tenho também um carinho muito especial por outros: Janeiro e Outubro (os meses em que nasceram os meus filhos), Novembro (o mês em que casei), Dezembro (um mês mágico, em que o Natal nos deixa cheios de amor e esperança...). Maio (além de ser o mês do aniversário do meu amor) é um mês poético e idílico, alegre e colorido; das flores (símbolo da renovação da vida), das noivas, das mães, de Nossa Senhora; é um mês feminino, por excelência. Mês de sorrir e de ser feliz.
Setembro é o Maio do Outono, logo muitas das características do mês de Maio se aplicam a este belíssimo mês em que nasci. É o mês das colheitas, das vindimas, de encher os celeiros; mês de aulas, de conhecer novos amigos, de encontros, de recomeços, de saudade e, sobretudo, de amor.


Então, neste início de Setembro não posso deixar de falar de AMOR:

O amor é difícil para os indecisos. É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados! Mas, os vencedores no amor são os fortes.
Os que sabem o que querem e querem o que têm! Sonhar um sonho a dois, e nunca desistir da busca de ser feliz, é para poucos."

Cecília Meireles


ARTE DE AMAR

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus - ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

Manuel Bandeira



Antes de amar-te, amor, nada era meu
Vacilei pelas ruas e as coisas:
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava.
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.

Pablo Neruda


Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

William Shakespeare


Saudade

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.


Pablo Neruda


3 comentários:

mfc disse...

Uma selecção fantástica de poemas de poetas maiores!
Lindo, Mena.

Mona Lisa disse...

Olá Mena

Uma selecção soberba!

Parabéns.

Bjs.

Mena disse...

As imagens escondidas nas palavras, como me disse, um dia, um aluno meu: Professora, começo a perceber a poesia, é como procurarmos imagens nas palavras!

Bjs, queridos amigos!