quinta-feira, 28 de junho de 2012

A chuva cai dentro de mim




A chuva cai dentro de mim
Inunda-me a alma
Lava-me o coração
O curso d’água brota à superfície
E transbordante
Escorre-me dos olhos nascentes

Rebolam-me pelas faces
Gotas orvalhadas
Um regato, um ribeiro, um rio
Alinham-se as folhas viridentes
Revivem as flores
Abre-se o sorriso...

- É Primavera
Não chores!


Mena

5 comentários:

Anónimo disse...

professora, deve estar a corrigir exames, pode dizer-me se as notas deste ano estão melhores.

Gosto do seu poema, espero que não esteja triste, gosto de a ver sorrir, fica mais bonita quando sorri.


Bjinho

Joana B

Mona Lisa disse...

...e com ela tudo renasce!

Belíssimo poema!

Beijos.

Mena disse...

Olá Joana!

Ainda estou de volta dos exames, alguns estão muito bons, outros francamente maus... Mas, ainda não corrigi as composições...
Espero que os vossos estejam bons!

O teu está bom de certeza! Não te preocupes!

Bj

mfc disse...

Gostei muito deste sorriso (um pouco triste...) que nos ofereceste!
Tens uma sensibilidade linda.
Beijinhos, Mena.

Nilson Barcelli disse...

Os maus testes fazem-te chorar?
Não será caso para menos, depois de tanto esforço...

Mais a sério...
Adorei o poema. É muito nom.
Talento não te falta.

Beijo, querida amiga.