terça-feira, 13 de março de 2012

Olá, guardador de rebanhos - Alberto Caeiro




"Olá, guardador de rebanhos,
Aí à beira da estrada,
Que te diz o vento que passa?"

"Que é vento, e que passa,
E que já passou antes,
E que passará depois.
E a ti o que te diz?"

"Muita coisa mais do que isso.
Fala-me de muitas outras coisas
De memórias e de saudades
E de coisas que nunca foram".

"Nunca ouviste passar o vento.
O vento só fala do vento.
O que lhe ouviste foi mentira,
E a mentira está em ti".

Alberto Caeiro


Há neste poema um diálogo entre um guardador de rebanhos e um sujeito lírico. Para o guardador de rebanhos, o vento não tem qualquer mistério, apenas passa; para o sujeito poético, o vento aparece personificado, falando "de memórias e de saudades", "de muitas outras coisas" que não estão no vento, mas no seu próprio espírito. Verifica-se, portanto, um confronto entre duas atitudes perante a natureza: uma que a povoa de fantasmas e outra que a despe de qualquer carga emotiva ou mítica.

No aspecto formal, este poema é típico de Alberto Caeiro pelo uso do verso livre, metricamente irregular, constituído por um terceto e três quadras, estruturalmente organizado à volta de duas interrogações. A linguagem é extremamente acessível e repetitiva (terceiro verso da primeira estrofe e segunda estrofe, por exemplo), o que vem emprestar à composição um certo tom de falsa simplicidade, típica deste poeta.

No fundo, trata-se de opor uma concepção subjectiva a uma visão objectiva da natureza. E isso é que é importante. Os recursos estilísticos são pouco abundantes, como, aliás, convinha ao pendor prosaico da poesia de Alberto Caeiro:

  • repetições "O vento só fala do vento"
  • assonância: "E a ti o que te diz?"
  • personificação: "Fala-me de muitas outras coisas"
  • ritmo predominantemente binário.

4 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Adoro ler as tuas análises.
Já li quase tudo de Pessoa e alguns poemas várias vezes. Encontrei muita dessa simplicidade aparente de que falas.
Beijocas, querida amiga.

Inês Lima Santos disse...

As tuas analises sao exelentes. Têm sido uma ferramenta essencial no meu 12º ano
Obrigada:)

9ºD disse...

pode deixar aqui a análise do poema: "Tu místico..." de Alberto Caeiro"?

9ºD disse...

Pode deixar aqui a análise do poema :" Tu místico..." de Alberto Caeiro?
Obrigada.